Botafogo se organiza para suprir perdas, mas só com soluções emergenciais

Compartilhe:

As apostas de longo prazo não são mais prioridades da diretoria do Botafogo. Em crise financeira, o Alvinegro trata de organizar o elenco durante a temporada – que começou com perspectivas positivas por causa de participação na Copa Libertadores. A intenção é suprir perdas com a contratação de jogadores por empréstimo e sem custos. As soluções emergenciais são apontadas como um caminho importante para evitar decepções maiores no final de 2014.

Os problemas nos cofres do Botafogo resultam em possibilidades maiores de saídas de atletas. Com o grupo enxuto, Vagner Mancini trabalha para garimpar nomes e sugere alternativas para se antecipar ao problema. O diretor de futebol Wilson Gottardo, com pressa, busca os clubes de origem de potenciais reforços para abrir negociações – quase sempre por empréstimos de curta duração.

É este o caminho das conversas com o Corinthians para a contratação do meia Luís “Cachito” Ramírez. O peruano virou alvo do Alvinegro carioca após o veterano Jorge Wagner anunciar desejo de voltar ao futebol japonês. Gerente de futebol do Corinthians, Edu Gaspar confirmou negociação para empréstimo do atleta até o final do ano.

“Existiu uma conversa. Mas vamos fazer uma coisa de cada vez. Estamos negociando junto com o Botafogo uma melhor composição. Estamos vendo a possibilidade de segurar um pouco os direitos econômicos do Ramirez. São detalhes que parecem simples, mas que levam tempo”, comentou o cartola ao canal ESPN Brasil. Ramírez tem contrato com o Corinthians também até o fim deste ano.

Acordos por empréstimo com validade até o fim da temporada se repetem em um Botafogo com pouco fôlego para negociar. O meia João Gabriel deixou a Matonense-SP rumo ao Alvinegro após assinar vínculo válido até o fim da atual temporada. O atacante Rogério saiu do Náutico com o mesmo tempo de contrato fechado com o clube de General Severiano.

A situação de Carlos Alberto é similar, mas o camisa 19 abandonou o Goiás antes de fechar com o Botafogo. O meia foi uma medida de emergência para dar mais experiência ao setor – que teve a baixa de Lodeiro antes da Copa – e tem pouco tempo garantido no clube. O atleta, perseguido pelas lesões até o momento, precisa mostrar serviço para ter o contrato prolongado após o Campeonato Brasileiro.

A tarefa do técnico Vagner Mancini é lidar com as perdas de peças importantes do elenco e fazer com que os nomes contratados se adaptem rapidamente. A necessidade no Brasileiro é de recuperação, após um início muito irregular. O Botafogo soma 12 pontos e aparece na 13ª colocação. O próximo desafio será contra um Flamengo em crise e na lanterna, às 18h30 deste domingo, no Maracanã.

Fonte: UOL

Comentários