Rebaixado à segunda divisão do Campeonato Brasileiro e diante de uma crise interna que parecia não ter fim, o Botafogo viu o fundo do poço nos últimos dias de 2014. A troca de presidente – Carlos Eduardo Pereira na vaga de Maurício Assumpção – aumentava o cenário de incertezas para o ano que se aproximava. No entanto, a maré virou em 2015. E antes mesmo do meio da temporada, o clube de General Severiano se vê diante da chance de fazer história.

Classificado para a final do Campeonato Carioca – contra o Vasco –, o Alvinegro pode alcançar a marca inédita de ser o primeiro time a ganhar o Estadual do Rio sem estar na série A do Brasileiro – desde 1971, quando recebeu este nome.

Nunca uma equipe rebaixada no fim do ano anterior venceu a competição carioca. Fluminense (1996, 1997 e 1998), Vasco (2008 e 2013) e o próprio Botafogo (2002) não conseguiram sucesso no Estadual que disputaram após a queda.

Um dos responsáveis pelo bom momento do clube, o técnico René Simões tenta explicar a rápida recuperação do time. “O Botafogo de hoje tem sede, tem fome e tem pressa. Queremos muito nossos objetivos. Mas ainda não acabou. Eu disse para os jogadores acreditarem que o melhor ainda está por vir. Estamos na final, mas queremos mais”, disse o treinador.

“O presidente me contratou para levar o Botafogo ao título e de volta à primeira divisão. Essa é nossa missão. Mas temos outras. Este grupo é excelente, sabe que tem condições de fazer história e trabalha muito”, emendou René.

De quebra, em caso de título estadual, o Botafogo pode quebrar uma marca nacional, já que o Campeonato Carioca é o único dos 27 estaduais que nunca teve um time da série B como campeão.

Em sua oitava final nos últimos dez anos (2006, 07, 08, 09, 10, 12, 13), o Botafogo ainda pode repetir uma marca conseguida pela última vez pelo time na décadas de 60: ser campeão quatro vezes em um intervalo de dez anos (ganhou em 2006, 2010 e 2013).

Com a vantagem de jogar por dois empates para conquistar a taça, o time de General Severiano encara o Vasco nos duelos decisivos. O primeiro ocorre neste domingo, às 16h, no Maracanã. O segundo, dia 3 de maior, com mesma hora e local.

Fonte: UOL