O resultado pode ter sido negativo, mas já foi possível enxergar um novo perfil de jogo – ou pelo menos parte de um – na reestreia de Alberto Valentim no Botafogo. Por mais que a dificuldade para criar chances com a bola no pé tenha voltado à tona, o Alvinegro apresentou uma postura voltada a aproveitar mais o estilo de jogo direto, buscando Diego Souza.

A posse de bola está nas veias desse Botafogo. O trabalho de Eduardo Barroca ainda é visível, o que é natural. Alberto Valentim não teve tempo hábil para realizar grandes mudanças, mas envolver ainda mais Diego Souza pelo alto parece ser uma das estratégias que o treinador está pensando na sequência do Alvinegro no Campeonato Brasileiro.

O Botafogo teve 65% da posse de bola durante o jogo. Foram dez finalizações – três no alvo defendido por Fernando Miguel – e duas chances reais de gol. O desempenho na intenção de propor o jogo ainda é abaixo do ideal. No segundo tempo, o Vasco adotou uma postura mais reativa, “obrigando” o Alvinegro a ter a posse de bola, e o desempenho do time caiu, com nenhum chute na direção da meta adversária.- Quando falei que tentamos fazer algumas coisas que tínhamos treinado pouco foi sobre alternar um pouco esse jogo de posse de bola com jogo de bola longa direcionada no Diego Souza, porque ele tem essa característica. É forte e consegue fazer bem esse pivô, mas também usando os jogadores de velocidade pelas beiradas. Fizemos algumas. O escanteio do gol sai em uma jogada em que o João tentou fazer com o Luiz. A ideia nossa é alternar bem esse jogo de posse, manter o jogo controlado porque temos jogadores com características assim, mas de sermos mais agressivos ofensivamente – afirmou Alberto Valentim após a partida.

A equipe realmente apresentou novas maneiras de jogar. Na referência, Diego Souza foi mais exigido pelo alto do que costumava acontecer. Não à toa, o camisa 7 ganhou cinco duelos aéreos na partida, representando 50% de sucesso diante da dupla de zagueiros do Vasco. Apesar da desvantagem numérica, o atacante ainda se saiu melhor do que os defensores em metade das oportunidades.

O pivô de Diego Souza, porém, não foi bem aproveitado pelos companheiros. Quando apoiava a bola e conseguia um passe, nenhum jogador chegava pelo meio, na entrada da área, e os pontas não tiveram sucesso nos duelos individuais quando o alvo do camisa 7 era desviar a bola para a lateral.

Por mais que a estreia de Alberto Valentim tenha sido marcada por derrota e pela presença de velhas dificuldades, o treinador deu sinais de mudanças. Com a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro cada vez mais próxima, tais mexidas serão necessárias para o Botafogo reencontrar o caminho das vitórias.

Fonte: Terra