O Botafogo não navega em águas calmas, mas pôde treinar durante a semana com uma tranquilidade que passou longe do Flamengo. As duas equipes se enfrentam em clássico que promete ser muito nervoso, às 18h30 deste domingo. Em crise por conta de maus resultados no Campeonato Brasileiro, troca de treinador e ambiente político quente, o Rubro-Negro pode ter mais dias de preocupação. O problema é que o Alvinegro costuma dar “fôlego” ao rival em momentos delicados.

Nesta década, o Botafogo teve sucessivas oportunidades para “afundar” o rival na crise ou fazer o clima ficar ainda mais pesado na Gávea. E estes eram os momentos em que o Flamengo respondia. No Maracanã, o Alvinegro tem mais uma chance de colocar o Fla – junto com o novo técnico Vanderlei Luxemburgo – em situação ainda pior.

A estratégia do Botafogo é ignorar os problemas enfrentados pelo Flamengo nesta semana e focar apenas no trabalho a ser desenvolvido para chegar bem ao clássico. O Alvinegro também fez largada ruim no Brasileiro e, com 12 pontos, busca sequência para sair da parte inferior da tabela.

“Não temos que pensar nos problemas dos outros. Temos que pensar em nós mesmos, no nosso grupo, sem olhar para a situação do rival. Sabemos do momento difícil que estão passando, mas temos que pensar no que temos que fazer aqui. Vamos enfrentar um grande time e o que eles estão vivendo não vai refletir no campo. Ninguém aqui está confiando que vai ser um jogo fácil”, destacou o volante Bolatti.

O argentino não estava no clube em 2013, quando o Botafogo teve uma chance de ouro para encerrar o ano flamenguista ainda em outubro. O Rubro-Negro vivia péssima fase no Brasileiro e iniciava o trabalho com o técnico Jayme de Almeida, após saída repentina de Mano Menezes. Os rivais se encontraram nas quartas de final da Copa do Brasil – um empate de 1 a 1 e uma goleada por 4 a 0 nos confrontos no Maracanã deram um empurrão para o Flamengo.

Com o Botafogo superado, o time de Hernane, Elias e cia. rumou ao título da competição ao estilo mata-mata e conseguiu afastar o risco de rebaixamento nos pontos corridos do Brasileirão.

Em 2012, o Flamengo também convivia com problemas. Ronaldinho Gaúcho abandonou o clube com salários atrasados e deixou o elenco enfraquecido. As dificuldades resultaram em uma campanha ruim no Brasileiro daquele ano. Ainda assim, o Botafogo não conseguiu vencer o rival naquela temporada para “participar” da crise rubro-negra. Foram três empates, um pelo Carioca e dois pelo Brasileiro.

A temporada 2011 do Flamengo aconteceu sem grandes sobressaltos. O time comandado por Ronaldinho e Thiago Neves teve grande desempenho no Campeonato Carioca e terminou o Brasileiro daquele ano na quarta colocação. O Botafogo foi presa fácil e não venceu o clube da Gávea nas quatro oportunidades que teve e ainda foi batido na semifinal da Taça Guanabara, nos pênaltis.

A última vez que o Flamengo teve que lidar com decepções após jogar contra o Botafogo aconteceu em 2010. O Alvinegro foi um dos responsáveis pela crise que impactou o Rubro-Negro em abril daquele ano. O clube de General Severiano conquistou o Carioca após vencer o rival na final da Taça Rio, com brilho de Loco Abreu. Decepcionada pela perda do troféu, a diretoria do Fla esperou apenas mais um jogo – pela Libertadores – para modificar boa parte da estrutura do futebol.

A então presidente Patricia Amorim demitiu o vice de futebol Marcos Braz e o técnico Andrade para tentar salvar o clube na competição continental. Não conseguiu. O Botafogo tirou “casquinha” de um ano marcado por maus resultados e por polêmicas de jogadores renomados, como Bruno, Adriano, Petkovic e Vagner Love.

Fonte: UOL