O Botafogo está no mercado. Após a saída de Erik para o futebol japonês e por não poder contar com Biro Biro, que permanece em tratamento por conta de um suposto problema cardíaco, o Alvinegro busca novas opções para o setor ofensivo dentro do futebol brasileiro, já que a janela de transferências para o exterior está fechada desde o mês passado.

O último dia desta janela, inclusive, trouxe o verdadeiro indício de que o clube de General Severiano está tentando se reforçar. Nas últimas horas, o Glorioso bateu na trave nas negociações por Nicolás Blandi, atacante, e Darío Aimar, zagueiro. Agora, a diretoria terá que buscar jogadores que ainda não fizeram sete partidas no Campeonato Brasileiro ou atletas que atuem nas divisões inferiores do país.

A diretoria já definiu seu alvo: um jogador que pode atuar pelos lados do campo. Não necessariamente com as características de Erik, marcado pela velocidade e dribles curtos, mas reforço para as lacunas. Dois nomes que chegaram à mesa do clube foram de Denilson, com acordo encaminhado para o futebol português, e Willian Popp, já descartado pela cúpula alvinegra. Um nome que o Botafogo demonstrou interesse foi no de Christian Cueva, do Santos, mas o Peixe descartou a possibilidade de emprestar o peruano, frustando os planos do Alvinegro, que tinha a ideia de um negócio sem custos, com duração até o final da temporada e a ideia de valorizar o passe do meia, atualmente sem espaço com Jorge Sampaoli. Não deu certo, e o Glorioso já procura mais opções.

A ideia da diretoria é trazer pelo menos um jogador, já que a necessidade de reforçar o plantel é gritante. Internamente, porém, discute-se a possibilidade de contratar dois jogadores para o lado de campo. Até agora, o Botafogo fez nove contratações para a atual temporada.

Nos bastidores, Eduardo Barroca conversa muito com Anderson Barros, diretor de futebol. O treinador do Alvinegro realça a confiança no dirigente e já externou a necessidade de contratar. O comandante ficaria feliz se um novo nome aparecesse no elenco – esta, inclusive, é uma das razões para que a diretoria permaneça ligada no mercado.

O comandante possui plena confiança nos jogadores que já estão no elenco, o ‘xis’ da questão é que Barroca preza por mais opções dentro do plantel. Com poucas opções, a equipe pode ter problemas, seja por lesões ou possíveis suspensões, a longo prazo no Campeonato Brasileiro, uma competição de destacável duração.

Fonte: Terra