O capitão da Polícia Militar do Rio de Janeiro Anderson Azevedo Galvão, de 35 anos, que foi assassinado com cinco tiros no último dia 23, enquanto estava de folga e cortava o cabelo em uma barbearia no bairro de Jacarepaguá (RJ), será homenageado na partida de hoje entre Botafogo e Bahia, às 20h, no Estádio Nilton Santos (RJ), pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

Anderson era torcedor fanático do clube alvinegro. Ele terá um minuto de silêncio e uma série de referências por parte de familiares e amigos que estarão na arquibancada, como bandeira e banner com seu rosto e a frase “o eterno glorioso”.

Os parentes têm a expectativa também de que o filho do policial entre em campo com o time e seu nome seja mencionado nos telões do estádio.

Acusados do assassinato já foram identificados

Presente no enterro do capitão da PM, o governador do Rio, Wilson Witzel, informou que os acusados pelo assassinato já foram identificados. O Disque-Denúncia, por sua vez, divulgou informações sobre um deles: Dionísio Vieira da Cruz, conhecido como “Nisinho do Complexo do Lins”, e que já estava sendo procurado pelo assassinato do policial civil Fabiano Ribeiro Besadas, de 33 anos, morto em 2016 no bairro do Méier (RJ).

Anderson Galvão, que ingressou na corporação em 2006, chegou a ser comandante da UPP do Lins e atualmente estava lotado no projeto Segurança Presente.

Fonte: UOL