Nesta quarta-feira, o jovem Caio Alexandre, promissor volante do Botafogo, foi o convidado do “De Casa com o LANCE!” em uma entrevista exclusiva no Instagram do LANCE!. Nela, o atleta falou sobre diversos temas de sua carreira, inclusive, sua recém-anunciada renovação com o clube de General Severiano.

– Cheguei no Botafogo em 2014. Estou tendo um ano especial por ter chegado no profissional do clube. Estou vivendo um sonho e procuro sempre me dedicar para conquistar grandes coisas dentro do clube. O Botafogo representa tudo na minha vida. É o clube que me formou como profissional e um ser humano cada vez melhor. Sou muito grato ao Botafogo e procuro sempre honrar a camisa do clube, com muita garra e sangue dentro de campo – afirmou o atleta, que completou:

– Estava tudo encaminhado antes da pandemia. Deu uma parada por conta desse imprevisto. Minha intenção sempre foi renovar com o Botafogo e quero passar muito tempo no clube – disse.

Com um rápido destaque desde que chegou ao profissional no início do ano, Caio chamou atenção com boas atuações com a camisa alvinegra. O jovem jogador ressalta a motivação de atuar pelo Botafogo, e mostra um alívio ter seu trabalho reconhecido.

– Toda vez que entro no clube e visto a camisa do clube, temos que estar animados e com a autoestima lá em cima. É um alívio ter o trabalho reconhecido. Toda vez que visto a camisa do Botafogo dou meu máximo. Desde que cheguei todo mundo me abraçou, desde a base até o profissional. É uma estrutura muito boa de trabalho, profissionais são ótimos. Isso tudo gera um carinho. Essa vontade de trabalhar é uma série de fatores – confessou.

O jogador também falou sobre sua relação com o meia Keisuke Honda, que chamou atenção do mundo ao acertar com o Botafogo no início do ano. Caio conta como funciona a comunicação com o japonês, e mesmo com a barreira, o atleta se entrosou com o grupo.

– Ele é muito gente boa, inteligente e diferente dentro de campo. Procurei olhar ele jogando e extrair coisas boas. Infelizmente não tem como (falar no japonês). Ele tenta desenrolar no português ou no inglês, mas a gente erra muito e ele fica louco. Ele conversa muito com todo mundo, brinca com todo mundo, mas ele ainda é muito tímido. Aos poucos ele vai se soltando – completou.

Fonte: Terra