Nomeado Ministro do Esporte do Botafogo, Carlos Alberto Torres, o Capitão do Tri, não faz mais parte da diretoria do clube. O ex-lateral direito da seleção brasileira alegou problemas particulares e profissionais para pôr  um fim na parceria com o Alvinegro, que durou pouco mais de um mês.

Carlos Alberto Torres foi o principal cabo eleitoral de Carlos Eduardo Pereira, eleito novo presidente do Botafogo no dia 26 de novembro. O Capitão do Tri não tinha contrato com o Alvinegro e era apenas um colaborador do futebol. Ele foi o responsável pela indicação do técnico René Simões, mas se viu sem tanta força e decidiu sair.

“Não vou continuar colaborando com o Botafogo como eu vinha fazendo. Eu vinha ajudando na campanha, mas agora as coisas tomaram outros rumos. Senti que não era mais requisitado para ajudar e decidi sair. Quando eu senti que a minha presença não era mais requisitada, eu mesmo decidi me afastar. O Botafogo já tomou um rumo e como a minha presença não é mais necessária, decidi me afastar. Mas de qualquer maneira a hora que precisar estou à disposição”, disse ao UOL Esporte.

Atualmente, Carlos Alberto Torres trabalha como comentarista do SporTV. Ele nega que a emissora tenha dado um ultimato por ele acumular duas funções que podem se confundir. Segundo ele, a decisão de sair do Botafogo foi tomada por ele e informada ao vice de futebol Antônio Carlos Mantuano no último sábado.

“Isso não tem nada a ver, poxa. Tenho contrato com o SporTV que jamais se importou com isso. Eles sabem que eu era apenas um colaborador pela história que tenho no clube. Mas preciso de mais tempo com a minha família. Cada um segue sua vida. O Botafogo já está no rumo certo e eu vou focar na minha vida profissional agora”, finalizou.

Fonte: UOL