Na sexta-feira, último dia útil de governo do ex-prefeito Eduardo Paes (PMDB), a prefeitura publicou no Diário Oficial do Município a rescisão dos contratos de cessão de 50 anos, prorrogáveis por igual período, de terrenos municipais liberados em 2013 para a construção dos centros de treinamentos de Botafogo e Vasco, em Vargem Grande. Os dois clubes tinham sido contemplados com áreas vizinhas, de 50 mil metros quadrados.

Na ocasião, o Fluminense também foi beneficiado com um terreno, onde construiu o Centro de Treinamentos Pedro Antônio Ribeiro da Silva, que tem dez mil metros quadrados a menos, está parcialmente pronto e já é utilizado pelo elenco profissional do tricolor, que não foi afetado pela medida.

Presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira entende que a decisão da prefeitura foi tomada devido a um inquérito aberto pelo Ministério Público (MP) em novembro de 2013 para investigar a cessão dos terrenos. O dirigente afirma que o Botafogo foi alertado pelo MP a não construir nada no local, e lembrou o solo hostil da área.

— O terreno é muito arenoso e não há acesso a ele. Não dá para fazer nada ali. O Botafogo não foi surpreendido e não tem qualquer interesse naquela área. Não fizemos nada por causa de um alerta, um pouco tardio, do MP sobre a investigação e pelos custos que uma obra daquele porte envolveria — afirma.

Em nota oficial, o presidente do Vasco, Eurico Miranda, criticou a decisão da prefeitura. “O procedimento é lamentável, feito sem aviso prévio, de forma deselegante, já que a prefeitura sabia da inviabilidade do investimento nas atuais condições, tendo em vista que a área só poderia ser ocupada após um enorme gasto para aterro e urbanização. Os clubes na verdade receberam um presente de grego, que serviu de propaganda para as administrações passadas. A decisão publicada às vésperas de um novo comando assumir o município pode ter relação com o receio de investigações dos órgãos de fiscalização de como as decisões eram tomadas”, diz um trecho.

A Secretaria de Concessões e Parcerias Público Privadas informou que a decisão não tem qualquer relação com a investigação do MP, e foi tomada devido ao descumprimento dos clubes ao acordo. De acordo com o órgão, desde a cessão dos terrenos, Botafogo e Vasco nunca apresentaram um cronograma de obras, como previsto.

Fonte: O Globo Online