O presidente Carlos Eduardo Bandeira repudiou a ação do Flamengo ao negociar a contratação do volante Willian Arão quando o jogador ainda tinha contrato em vigor com o Botafogo. O Rubro-Negro, no entanto, só se manifestou e anunciou o acordo depois que o atleta conseguiu na justiça se desvincular do Alvinegro. O dirigente fez críticas em relação a postura do rival.

“já deixamos de fazer algumas transações com empresários porque não gostaríamos que fossem feitas com a gente. Evitamos e fugimos dessas complicadas contratações. Se espera que haja transparência entre os clubes. A hora que você dá uma rasteira no co-irmão seu, depois você pode levar uma também. Qualquer coisa que não passe pelo Botafogo carece de ética e repudiamos” disse o dirigente a reportagem da SUPER RÁDIO TUPI, que deixou claro a falta de ética do presidente do Flamengo em nunca procurar o Botafogo sobre o assunto.

“Estive sempre à disposição e tive diversos encontros com o presidente Eduardo Bandeira de Mello. Se não me procurou é porque escolheu outro caminho. Em termos de comportamento ético ele deixa a desejar”

O Departamento Jurídico do clube tenta junto ao TRT-RJ o ganho de causa e o pagamento da Multa Rescisória no valor de R$ 20 milhões. O contrato assinado entre as partes previa o pagamento de R$ 400 mil por uma cláusula de renovação automática por 2 anos.

Fonte: Super Rádio Tupi