Cercados de cuidados físicos, atletas reagem bem à maratona

Compartilhe:

Os jogadores que disputam o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil estão colocando à prova a capacidade física, já que a maratona de jogos é enorme. Neste ano, a Copa das Confederações apertou ainda mais o calendário do futebol brasileiro. No Botafogo, a equipe tem conseguido sair praticamente ileso. No departamento médico estão apenas atletas que passaram por processos cirúrgicos, como Lucas e Cidinho. Este pode ser um dos fatores que explicam a manutenção do bom rendimento do time, líder do Brasileiro e que tem apenas quatro derrotas no ano.

Quem demanda mais cuidado é Seedorf, de 37 anos. Nesta maratona, ele se ausentou em duas partidas, ambas contra o Atlético-MG. Na primeira, teve uma lesão muscular, mas teve uma recuperação bastante rápida. Na última quinta, ele foi preservado por causa de dores no joelho direito mas deve voltar ao time para encarar o Atlético-PR, no próximo domingo.

O cuidado com os jogadores é constante, e diariamente eles são submetidos a exames que podem apontar se algum deles está próximo de ter uma lesão. Chefe do departamento médico do Bota, Rodrigo Kaz contou que desde o início do ano o perfil de cada um deles foi traçado.

– Fazemos no início do ano avaliações físicas, ortopédicas e fisiológicas e determinamos o perfil de cada um. Diariamente fazemos avaliações, como a termografia, e conversamos com todas as áreas. Vemos se há a suspeita de que alguma lesão pode acontecer e, com isso, podemos diminuir o risco de perder algum jogador. Na alta performance existe sempre o risco, vai acontecer em algum momento, ainda mais com este calendário.

Kaz acredita que outro fator importante para a diminuição de problemas físicos é a necessidade de uma boa comunicação entre todos os setores, como a comissão técnica, fisioterapia, que tem como coordenador Alex Evangelista, a preparação física, comandada por Ricardo Henriques, e a fisiologista, que tem à frente Altamiro Bottino.

– Usamos todos os dados para tentar minimizar os riscos. É uma relação multidisciplinar e interdisciplinar, com todos no departamento médico se falando. Não adianta um achar que o um atleta tem problema e a preparação física passar por cima e forçar no treinamento. Grande parte do sucesso do sucesso é também o entendimento do Oswaldo sobre esta questão.

Apesar da preocupação com a prevenção, as lesões são inevitáveis no alto rendimento. Quando elas acontecem, a missão é realizar o tratamento da melhor maneira possível para que os atletas não fiquem muito tempo fora. Um exemplo foi Seedorf antes da partida contra o Goiás, em Brasília. O camisa 10, que era dúvida, recebeu cuidado intensivo do fisioterapeuta Alex Evangelista no hotel para conseguir entrar em campo.

– Quando estão concentrados, não é só repouso. Neste caso, a fisioterapia é fundamental, ficam em constante trabalho com os atletas. O Seedorf nos dá um grande feedback, é muito bom, e a cada dia vamos conhecendo melhor. Tem sido muito parceiro nosso. Ele tem uma recuperação física espetacular – disse Rodrigo Kaz.

Mais experiente, Seedorf é também quem tem mais “manias” e rituais para se preparar para treinos e jogos. Na rotina do craque existem alongamentos e até exercícios semelhantes aos praticados na Yoga, como a “Saudação ao Sol”.

– Acho que ele teria um rendimento diferenciado mesmo se fizesse apenas o que os outros fazem. Ele consegue mensurar o que o corpo dele reage melhor. Yoga, alongamentos… tudo isso ele vai escolher o que dá mais prazer a ele. São complementos – disse Kaz.

Se comparado com alguns dos veteranos que se destacam no Brasileirão, Seedorf tem mostrado boa resistência. Alex, do Coritiba, por exemplo, não joga desde o dia 11 de agosto por causa de uma lesão muscular. Também com um problema muscular, o gremista Zé Roberto não atua desde a décima rodada.

– É muito difícil comparar. Não me atreveria. Mas os veteranos atualmente vão para o jogo da mesmo forma do que os outros, vão para o impacto. Entram no mesmo ritmo. Os mais experientes têm um conhecimento próprio do próprio corpo – finalizou Rodrigo Kaz.



Fonte: Globoesporte.com
Comentários