Um dos mais experientes do elenco do Botafogo, o volante Cícero, destaque na partida contra o Sol de America (PAR), pela Copa Sul-Americana, vem driblando a idade – tem 34 anos – e se tornando nome importante no esquema do técnico Eduardo Barroca.

O jogador, que faz parte de um setor considerado primordial pelo técnico do Bota, chegou em fevereiro, após temporada no Grêmio, onde alternou a titularidade e o banco de reservas. Em General Severiano, porém, desde que esteve à disposição, atuou em 84,2% dos jogos (16 confrontos) e apenas nos dois primeiros começando como opção.

Sob o comando do treinador alvinegro, que já apontou gostar de volantes que “pisam na área”, foram dois gols – contra Bahia e Sol de América -, um terço dos seis feitos em 2018, em 46 partidas.

Na última quarta-feira, Cícero foi o segundo jogador com mais posse de bola na equipe e também o segundo com mais passe certo (48), em ambos os quesitos atrás apenas do zagueiro Gabriel. O rendimento tem uma ligação direta com uma mudança de posição implementada pelo comandante alvinegro nos últimos confrontos: passou a atuar mais centralizado.

“Barroca conversou comigo, sabia das minhas características. Queria tentar ficar com a bola no Morumbi (contra o São Paulo, na estreia no Brasileiro) e para tentar ter mais jogadores no meio. Funcionou às vezes, mas faltou agressividade. Fugiu um pouco das minhas características jogando mais aberto. A minha melhor posição é jogando por dentro, segundo ou terceiro homem, onde posso encontrar meu jogo melhor, minha chegada na área, ajudar na saída de bola. É ali que me sinto bem”, disse o jogador.

Depois da partida contra o Sol de América, Barroca demonstrou ter gostado do que o meio de campo do Botafogo produziu: “Estou satisfeito com o Gustavo, com o Cícero e com o João Paulo. Estou satisfeito coletivamente”, elogiou o treinador.

O Alvinegro se prepara agora para retomar a caminhada no Brasileiro. No domingo, a equipe encara no domingo o rival Vasco, às 11h, no Estádio Nilton Santos.

Fonte: UOL