O volante Cícero foi outro jogador do Botafogo que não conseguiu esconder a insatisfação com o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior na derrota para o Palmeiras por 1 a 0 neste sábado, em Brasília, pelo Campeonato Brasileiro. Segundo ele, o lance do gol, que originou-se de um pênalti marcado com auxílio do VAR, quebrou a atuação alvinegra.

– Foi um jogo nervoso, por causa de um detalhezinho ou outro… Eu mesmo às vezes fico p… da vida porque a arbitragem favorece uma coisa ou outra, foi um pênalti injusto. Estávamos nos encontrando no jogo, aí toma um gol desses e acontece o que aconteceu. Ficamos devendo no primeiro tempo, teve pouca movimentação. Depois, suportamos bem, na hora que melhoramos, sofremos o gol de pênalti – disse Cícero, ao Globoesporte.com.

O volante alvinegro deu também sua versão sobre o lance capital, o pênalti de Gabriel em Deyverson. Na ocasião, o árbitro havia marcado simulação do atacante palmeirense no lance, mas depois foi chamado pelo árbitro de vídeo Adriano Milczvski, reviu o lance no monitor e marcou a infração.

– O VAR é muito importante no futebol, mas na questão do pênalti acredito que a bola já estava na mão do Gatito, o toque por baixo nem foi intencional para pênalti, e o Deyverson levou cartão depois que se jogou. Pode ter tido o pisão, mas a bola nem estava no controle do Deyverson – frisou.

Fonte: Redação FogãoNET