Até o momento, as campanhas de Botafogo e Fluminense no Estadual não guardam nenhuma semelhança entre si. Enquanto os alvinegros lideram com sobras o Grupo B, os tricolores ocupam a última vaga do A para a próxima fase. Ainda assim, as torcidas compartilham da mesma desconfiança em relação às equipes, que mostram desiquilíbrio entre ataque e defesa.

O duelo desta quarta pode ser caracterizado como o clássico dos extremos. Se os alvinegros se protegem com a melhor defesa do campeonato (apenas dois gols sofridos, assim como o Vasco), os tricolores contam com o ataque mais perigoso da competição (13 gols marcados). O choque entre os dois setores promete ser o principal atrativo em Cariacica.

— Conheço bem o Fred e o Diego Souza, que trabalhou muito tempo comigo no Vasco e no Fluminense. Conheço também o Scarpa, o Marcos Júnior, o Cícero… — enumerou o técnico alvinegro, Ricardo Gomes: — É uma força ofensiva importante. Vamos brigar para corresponder. Que a nossa defesa seja superior no clássico.

Mas nem só de pontos fortes vivem as duas equipes. Em General Severiano, a baixa produtividade do ataque (o pior entre os grandes, com oito gols marcados) tem incomodado o treinador. Eduardo Baptista não passa pelo mesmo problema, mas tem tido dores de cabeça com a defesa — até agora, os tricolores sofreram oito gols em cinco rodadas de Estadual, o que faz dela a pior entre os grandes do campeonato.

O chavão “vai vencer quem errar menos” nunca foi tão apropriado.

Fonte: Extra Online