Os 16 clubes que integram a Série A do Estadual do Rio votarão nesta terça uma nova proposta de regulamento para a competição do ano que vem. Mas, para valer, o documento precisará do aval do Ministério do Esporte.

De acordo com o projeto elaborado por Marcelo Vianna, diretor de Competições da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), o torneio terá duas fases: em uma primeira, os dois clubes que subiram neste ano para a elite jogarão um hexagonal contra 11º, o 12º, o 13º e o 14º colocados em 2016. Destes, dois seguirão para a parte principal do Estadual, que será formada pelos vitoriosos da primeira fase e os dez melhores de 2016.

— A ideia é formatar a segunda fase sempre em 12 clubes com o modelo de maior sucesso no Rio: Taças Guanabara e Rio, semifinais e finais de campeonato — conta Vianna.

Caso aprovada no Conselho Arbitral, a proposta terá de ser referendada pelo Conselho Nacional do Esporte (CNE), órgão do Ministério do Esporte. Como haveria uma mudança em relação ao regulamento deste ano, algo que fere o Estatuto do Torcedor, o CNE terá de dar o sinal verde para o novo modelo.

A Ferj já fez a consulta ao órgão e não crê que haverá algum tipo de empecilho para implantar o novo sistema de disputa. A possível mudança assusta os clubes que disputarão a primeira fase da competição, pois uma performance ruim fará com que quatro deles não participem da parte principal da festa. Há ainda o temor em ser rebaixado e jogar a Série B ainda na próxima temporada.

Por outro lado, a medida atenderia a uma demanda antiga dos grandes clubes, que terão um Estadual do Rio mais enxuto e com menos confrontos deficitários.

Os clubes já receberam o regulamento na tarde de segunda, para que apresentem suas sugestões.

Fonte: Extra Online