A briga por vaga no time titular do Botafogo está a cada dia mais acirrada e tem refletido nos disputados coletivos entre titulares e reservas. Pelo segundo dia seguido, a equipe que não inicia as partidas venceu o primeiro time por 2 a 1. Ontem, não houve bronca de René Simões e, mesmo derrotado, Marcelo Mattos deixou o treino satisfeito e com ainda mais confiança no Alvinegro.

“Quanto mais dificuldade no treinamento, melhor para nós. É bacana também para o René escolher os melhores. Tem aquele negócio de que treino é treino e jogo é jogo, mas quando o treino é forte, do jeito que eu gosto, a equipe chega para a partida preparada. Quero que seja assim até o fim do ano”, afirmou o volante após a atividade.

Por conta do horário, os refletores do campo principal do Nilton Santos foram acesos, aumentando o clima de jogo oficial. Henrique e Tomas marcaram os gols dos reservas e, Carleto, de pênalti, diminuiu para os titulares.

O bom desempenho do segundo time mostra que o Botafogo montou um elenco equilibrado e que René está com mais opções para a disputa da Série B. Um dos principais responsáveis pela evolução dos reservas é Daniel Carvalho. O meia controla as ações ofensivas da equipe e tem agradado.

Após alguns minutos de bola rolando, ele e Sassá foram promovidos para o time titular, nas vagas de Fernandes e Diego Jardel, respectivamente. Outro que teve boa atuação foi Lulinha. O reforço recém-contratado começou fora, mas quando entrou se movimentou bem e marcou um gol no fim do coletivo. Já com o nome no BID, ele será apresentado nesta sexta.

VETERANO, MAS COM UM SONHO DE MENINO

A pele de Marcelo Mattos nunca foi tão alvinegra. Desde 2010 no clube, o volante passou dificuldades durante dois anos por causa de uma lesão no púbis, mas, nesta temporada, resgatou o prazer em jogar futebol. E o principal: o orgulho de defender o Botafogo. O envolvimento é tanto que o camisa 5 encara a Série B como a Copa do Mundo de sua carreira.

“Agora estou sem limitações. Espero realizar meu sonho de colocar o Botafogo de novo na Primeira Divisão. É praticamente aquela mesma vontade que tinha de ser jogador de futebol, quando era menino”, afirmou Mattos.

Ao olhar para frente, o volante só enxerga o acesso, mesmo que a Copa do Brasil tenha que ser sacrificada. “O elenco foi formado para subir. Todo torcedor prefere voltar à Série A do que a Copa do Brasil”, disse.

Fonte: O Dia Online