O principal responsável pela justa vitória do Flamengo estava fora de campo e precisou de apenas quatro dias para tomar providências simples e eficientes: voltou com os treinos na Gávea, uniu o grupo que não aceitava Ney Franco e, principalmente, simplificou a parte tática. Optou pelos jovens e se deu bem. Foi um 4-4-2 sem a menor sofisticação mas que serviu para derrotar um Botafogo neurótico, mal escalado e que entrou de baixo astral ao expor um cartaz citando salários atrasados. Os jogadores têm razão, mas é melhor tratar dentro de casa assuntos internos, ainda mais em dia de clássico.

O Flamengo, sem ser brilhante, foi sempre mais guerreiro e ofensivo e abriu o caminho com o bonito gol de Alecsandro. O Botafogo reagiu no segundo tempo, equilibrou, mas foi quase sempre um time lento, defensivo e travado com Carlos Alberto sem mobilidade e Sheik bem marcado. Os dois times, na verdade, são fracos e justificam as suas más colocações na tabela. Mas o Flamengo jogou com muita dedicação e a vitória foi lógica e natural. Não é time para cair e vai se recuperar.

Fonte: Coluna do Márcio Guedes - O Dia Online