Aquela discussão entre torcedores sobre quem teve mais convocados para a Copa do Mundo, que costumava esquentar os debates de botequim, anda fria para os cariocas. E neste caso, ao contrário da cerveja, quanto mais gelada pior. Luiz Felipe Scolari convocou dois jogadores do futebol do Rio. Foi o quarto pior aproveitamento de atletas do estado em 20 convocações para Mundiais. Pelo menos tricolores e botafoguenses tiveram motivo para sorrir, depois de 20 e 16 anos, respectivamente.

O último jogador do Fluminense convocado para uma Copa, antes de Fred, havia sido o lateral-esquerdo Branco, em 1994. Já o Botafogo não cedia um jogador para o Brasil num Mundial desde Bebeto, em 1998. No mesmo ano, o Vasco, que pela quarta vez consecutiva fica fora da lista, teve Carlos Germano como representante.

A Seleção não terá um jogador do Flamengo num Mundial pela quarta vez na história. O mesmo ocorreu em 1934, 1962 e 2006. Nesta última, ninguém do futebol carioca foi incluído na lista. Em 2010 e 2002, por exemplo, o Rubro-Negro foi o único do Rio a ceder algum atleta para a CBF na competição mais importante do futebol — Kleberson e Juninho Paulista, respectivamente.

A decadência do futebol carioca acompanha a tendência de internacionalização da Seleção. Este ano, dos 23 convocados, 19 jogam no exterior. Em 2010 e 2006, eram 20, o dobro em relação a 2002, ano do penta. Na edição anterior, na França, foram 13 “estrangeiros”, na campanha do tetra, 11, e em 1990, 12.

Antes disso, a Seleção jogava o Campeonato Brasileiro. A primeira vez que foram convocados jogadores de fora do país foi em 1982, com Falcão, da Roma, e Dirceu, do Atlético de Madri. Em 1986, também havia dois atletas que atuavam na Europa.

Fonte: O Dia Online