A burocracia que envolve a compra de um terreno como o que o Botafogo quer — para a construção de seu Centro de Treinamento —, em Vargem Pequena, atrapalhou o cronograma do alvinegro.

O clube tinha esperanças de concluir a negociação a tempo de fazer pré-temporada no local, já em janeiro de 2018. No entanto, devido a questões de documentação, os planos mudaram. Agora, o Botafogo terá que buscar outro local para se preparar para a próxima temporada. Duas opções agradam: um hotel fazenda em Domingos Martins, no Espírito Santo, que o clube utilizou nos últimos dois anos; e o Cefat, em Niterói, onde foi feita a pré-temporada de 2015.

Os irmãos Moreira Salles, botafoguenses que se dispuseram a financiar toda a operação, ainda precisam fazer o depósito para que a compra seja concluída. Eles investirão R$ 25 milhões no terreno e serão ressarcidos ao longo de, no máximo, trinta anos. Só depois do pagamento final, o clube poderá conseguir a escritura de posse.

O Botafogo tem até março para efetuar a compra de um terreno. Dirigentes já afirmaram que observam outros locais, mas não deve ser necessário recorrer a um plano B.

Desde o anúncio da aquisição, dirigentes alvinegros afirmam que é necessário ser paciente, e que a pressa em concluir o negócio poderia atrapalhar.

A compra de um terreno para o CT do Botafogo foi uma das promessas da atual gestão. O cumprimento está próximo, mas teve muitos obstáculos. O primeiro deles foi a situação de um dos terrenos que compõe a área, que era posse — ou seja, não pertencia legalmente aos donos do Lonier. O local é o clube que hoje funciona no terreno desejado pelo alvinegro.

Depois, foi necessário registrar algumas construções do local junto à prefeitura, algo que ainda não havia sido feito.

— Estamos confiantes porque temos um prazo razoavelmente folgado, e é muito importante que a gente quantifique os custos eventuais dessa legalização do projeto — afirmou o presidente Carlos Eduardo Pereira sobre os registros, em setembro deste ano.

Fonte: O Globo Online