Se as coisas não vão bem no lado financeiro e no que se refere aos resultados, o elenco do Botafogo pode comemorar algo que não é comum no futebol em tempos de tensão: o fato de ter o apoio de todos os setores mais importantes que cercam o clube. Diretoria e torcedores dão força aos jogadores – com salários e premiação atrasados e em situação complicada para passar à próxima fase da Copa Libertadores.

O momento conturbado do Alvinegro por conta de uma grave crise financeira ganhou novos contornos na última quarta-feira. A equipe perdeu para o Unión Española-CHI por 1 a 0 no Maracanã e viu uma classificação encaminhada para as oitavas de final da Libertadores se tornar mais difícil.

As frequentes vaias no Maracanã não foram ouvidas após o revés contra os chilenos. A torcida alvinegra preferiu dar apoio aos jogadores, que precisam vencer os argentinos do San Lorenzo na última rodada para garantir classificação sem depender de combinação de resultados. O empate até pode servir ao Alvinegro, mas desde que o Independiente José Terán-EQU não vença o Unión Española por dois gols de diferença, em Santiago.

A união entre torcedores e jogadores se estende às questões extracampo. Com protestos no Engenhão e manifestações nas redes sociais, os alvinegros deram razão às reclamações que viraram rotina nos treinos antes da partida contra o Unión Española. O alvo de atletas e fãs é a diretoria, que foi cobrada por maior “comprometimento”.

Atualmente, o grupo alvinegro tem a receber dois meses de salários e premiação pela chegada à fase de grupos da Libertadores. Os cartolas alvinegros evitam o choque e também dão razão aos atletas, que receberam a promessa de que as dívidas referentes ao mês de fevereiro, que venceu no dia 20 de março, serão quitadas até a próxima sexta-feira.

O elenco do Botafogo resolveu dar um voto de confiança aos dirigentes e suspendeu os protestos até a data combinada para que o pagamento seja feito. É com esse espírito de união que o Alvinegro vai à Argentina para buscar vaga na próxima etapa da Libertadores.

“Vai ser uma guerra, porque eles precisam também da vitória para passar de fase, assim como nós. Brasil e Argentina sempre é jogo pegado, de muitas faltas. Temos que estar preparados para um jogo truncado, mas sabendo que temos boas chances de conseguir um grande resultado”, apontou o atacante Wallyson.

Fonte: UOL