Pausa no Carioca, mas não por muito tempo. O Botafogo estreia nesta quarta-feira na Copa do Brasil, às 22h, contra o Botafogo-PB, no Almeidão, já pensando em evitar o jogo de volta para se dedicar exclusivamente à competição estadual. Como um segundo jogo no Rio cairia no meio da semifinal, o Glorioso aposta na sua força ofensiva para evitar um desgaste extra em momento decisivo.

Com média de dois gols por jogo neste início de temporada, o Botafogo balançou as redes em todos os 13 compromissos oficiais em 2015 e, em cinco vezes, fez dois ou mais gols, o que precisará repetir hoje. Para os torcedores supersticiosos, mais um ponto a favor do Glorioso.

Há 40 anos, o Botafogo participou da inauguração do palco do duelo de hoje e venceu por 2 a 0 o Botafogo-PB, no único triunfo por mais de um gol de diferença nos cinco duelos entre os dois clubes. Ao todo, foram quatro vitórias do Glorioso e um empate, no único encontro oficial (0 a 0 pelo Brasileiro de 76).

“Seria interessante vencermos por dois gols de diferença, mas vamos sentir durante o jogo. Sabemos que não vai ser simples. Se tivermos oportunidade, vamos buscar”, avisou Diego Giaretta, que será mantido entre os titulares depois da boa atuação no clássico contra o Vasco.

O zagueiro substituirá Marcelo Mattos, enquanto Alisson ganhará sua primeira chance como titular no lugar de Roger Carvalho, que ficou no Rio em tratamento de uma pancada na coxa direita.

Quem deu susto foi Jefferson. De volta da Seleção, o goleiro sentiu dor no joelho direito durante o treino no Almeidão, mas continuou em campo. Gilberto e Gegê foram poupados e não preocupam.

Pagamento de dívida em cinco vezes

Na véspera da estreia na Copa do Brasil, a diretoria alvinegra entrou em acordo com o Botafogo-PB para pagar a dívida de R$ 150 mil referente ao amistoso cancelado ano passado. Ficou acordado que o clube carioca quitará o valor em cinco parcelas de R$ 30 mil.

Em nota oficial, o Botafogo informa que já pagou a primeira parcela e que as outras quatro serão depositadas até o dia 20 dos próximos meses.

Em julho de 2014, os jogadores se recusaram a ir a João Pessoa, porque o presidente Maurício Assumpção não honrou a promessa de depositar parte dos salários e direitos de imagem atrasados. A cota já havia sido paga e o clube carioca embolsou o dinheiro.

Fonte: O Dia Online