Ainda é cedo para projetar o time que será responsável por fazer da temporada de retorno do Botafogo à Série A uma jornada sem sustos, mas um nome parece ter saído na frente por uma vaga no meio-campo do técnico Ricardo Gomes. Aos 29 anos, o volante Bruno Silva — que chega da Ponte Preta por empréstimo — começa o ano com a confiança do treinador e a responsabilidade de substituir Willian Arão, destaque do clube em 2015.

Nascido em Nova Lima, cidade de cerca de 87 mil habitantes, em Minas Gerais, Bruno começou sua trajetória no futebol defendendo o time local, o Villa Nova.

O início da carreira foi instável, com passagens por outros pequenos clubes mineiros, como Ipatinga, Uberaba, Social e Valério. A primeira experiência em um time de expressão foi no Avaí, para onde se transferiu em 2007. Foi a única. Comprado em 2013 pela Ponte Preta, Bruno voltou a conviver com empréstimos, mas os dois últimos — para Atlético-PR e Chapecoense — foram fundamentais para que o jogador ganhasse sua primeira chance em um clube grande.

Foi no rubro-negro paranaense que ele trabalhou pela primeira vez com o gerente de futebol Antônio Lopes, responsável por indicá-lo à diretoria alvinegra.

Já na Chapecoense ele ganhou o espaço e a confiança que nunca tivera. No ano passado, o reforço do Botafogo participou de 32 partidas do clube catarinense, sendo 29 como titular.

— Ele é um jogador de pegada forte, tem um jogo aéreo ofensivo bom. Não é exatamente habilidoso, mas tem muita força de chegada na área — explica Guto Ferreira, técnico da Chapecoense.

Sem títulos de expressão no currículo, Bruno Silva não teme a cobrança que sofrerá.

— Gosto de desafios grandes, quero ser cobrado porque não pretendo apenas passar pelo Botafogo, mas sim brigar por títulos — afirma ao site oficial do clube.

Um breve encontro na Chape

Um dos destaques da campanha do título da Série B no ano passado, Willian Arão não aceitou renovar com o Botafogo e, na Justiça, foi liberado para assinar com o Flamengo. Sem o jogador, a diretoria alvinegra enxergou em Bruno Silva um substituto na medida.

Em campo, ele, de fato, cumpre a mesma função do agora volante flamenguista. Posicionado ao lado de Lindoso no 4-2-3-1, ele é o principal responsável por cuidar da transição ofensiva do time. Pela titularidade neste início de ano, Bruno parece ter conquistado a confiança de Ricardo Gomes.

Mas essa não é a primeira vez que os dois volantes têm suas trajetórias interligadas.

Em 2014, Arão jogava na Chapecoense emprestado pelo Corinthians. Nunca teve muito espaço, mas foi devolvido pelo clube catarinense pouco depois da chegada de Bruno, que começou a assegurar ali a titularidade.

Agora, o mineiro tem como missão fazer com que os botafoguenses não sintam falta do antigo xodó.

Fonte: Extra Online