O último jogo no Engenhão aconteceu no dia 23 de março de 2013, no empate por 0 a 0 entre Flamengo e Boavista. Já faz mais de um ano que a casa do Botafogo foi fechada devido a um laudo que apontou problemas na cobertura do estádio, gerando risco para os espectadores em caso de ventos fortes. Durante entrevista exclusiva à Rádio Globo, na noite desta sexta-feira (25), o presidente do Botafogo, Maurício Assumpção, diz que o clube já tem uma estratégia definida para recuperar todo o prejuízo causado pelo fechamento do estádio. De acordo com o presidente, uma empresa de auditoria foi contratada para fazer todo o levantamento dos prejuízos que o clube teve com a falta das receitas geradas pelo estádio e, através de um escritório de advocacia, vai buscar o ressarcimento do valor integral. Maurício Assumpção não revelou o valor levantado, mas diz que no último ano antes do fechamento o estádio registrou receita líquida de R$ 9 milhões. Ele ainda disse que o clube deve receber o estádio de volta em novembro, mas a reestreia do time em casa não deve acontecer este ano.

“Fizemos uma reunião com o nosso departamento jurídico e decidimos que fosse contratado um escritório de advocacia fora do Botafogo, especializado, para que possamos estar bem representado na esfera jurídica. Uma das coisas que fizemos foi contratar uma empresa que pudesse auditar esses números. Não foi um processo fácil porque custou um bom dinheiro. Até para pagar isso foi difícil. Hoje temos tudo pronto, e estamos orientados pelo escritório de advocacia para falar até a página um. Então em breve vamos divulgar para os nossos torcedores o que vamos fazer juridicamente para brigar por isso. Fomo orientados a não revelar o valor agora, mas para ter como base, no último ano de funcionamento o estádio registrou receita líquida de R$ 9 milhões”, afirmou o presidente.

O presidente alvinegro acredita que o prazo de entrega do estádio será cumprido, ou seja, o clube receberia o Engenhão de volta em novembro. No entanto, o time não deve atuar este ano em sua casa.

“A data de novembro ainda é uma data que trabalhamos com ela porque foi passada pelo consórcio que administra o estádio. Vocês estão vendo a quantidade de funcionários e maquinários que estão trabalhando na obra, mas talvez não consigamos disputar uma partida lá esse ano”, disse.

Além disso, o estádio vai operar com novidades. Segundo o presidente, um novo modo de operação do estádio deve contar com um cartão que vai proporcionar ao torcedor a possibilidade de realizar todas as suas necessidades dentro do estádio, desde a entrada, até a saída.

“Estamos discutindo um novo modo de operação no estádio com Sergio Landau, nosso diretor-executivo, que é o que mais entende de operações de estádio no Brasil. Uma das soluções que queremos é ter o cartão do estádio. Com esse cartão você realiza todas as operações dentro do estádio desde a entrada, alimentação, compras na loja oficial do clube, enfim, tudo para facilitar a vida do torcedor. Todo esse planejamento já está sendo feito, independente do estádio estar liberado, ou não”, concluiu.

Fonte: Site da Rádio Globo