Arquibancadas lotadas, custo operacional menor e mais famílias. Seduzidos pelo sucesso das ‘matinês’, os clubes da Série B estudam a possibilidade de jogos às 11h (de Brasília) dos sábados. Uma reunião com a Rede Globo, dona dos direitos de transmissão do campeonato, acontece na próxima quinta-feira e o assunto é um dos que deve ser colocado em pauta.

Principal novidade do Brasileirão, a faixa de horário aos domingos viu diversos recordes de público serem quebrados e teve aceitação total do torcedor.

Entre os representantes da primeira divisão, é cada vez maior o número de times batendo à porta da CBF para atuar pela manhã.

Na Segundona, o incômodo, em especial, é com partidas às 21h nos fins de semana.

“Tenho simpatia muito grande pelo horário das 11h, no mínimo, a curiosidade de saber qual seria a recepção no sábado nessa hora. Sem dúvida, o sentimento que o Bahia e outros têm é que é mais favorável do que pela noite”, afirma o presidente tricolor Marcelo Sant’Ana ao ESPN.com.br.

Perguntado a respeito antes mesmo da inovação na Série A, o mandatário da CBF, Marco Polo Del Nero, não se mostrou contrário.

Um dos argumentos para tentar convencer a Globo a realizar, ao menos, um teste é que a nova faixa permitiria ao torcedor acompanhar o futebol nacional num horário que, tradicionalmente, conta apenas com ligas estrangeiras na televisão.

“Hoje, a TV fechada parece que tem somente time internacional. Você liga num fim de semana e às 8h tem Russo, às 10h Alemão, ao meio-dia Italiano e nada de futebol brasileiro. Seria uma alternativa para concorrer e, mais do que isso, facilitar o trabalho de venda para o mercado no exterior”, prossegue Sant’Ana.

A emissora carioca não tem sido inflexível na conversa com os clubes.

Recentemente, ela aceitou concentrar os jogos em horários mais cedo. Outra cobrança agora é para que as partidas não superem as 21h.

“Meu time entra em campo numa terça-feira, quase dez horas da noite. Isso é impensável, entende? Por que precisa ser essa hora? E você vai lá e o estádio está vazio. Não tem cabimento. Queremos levar essa situação para a Globo também. O futebol carece de muitas mudanças e estamos pensando nisso”, diz o presidente do Atlético-GO, Maurício Sampaio.

Ao lado de Paysandu, Náutico e América-MG, ele faz parte de comissão que discute os interesses das equipes da Série B.

Fonte: ESPN.com.br