No dia seguinte à suspensão de três jogos imposta pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-RJ) por uma bolada no árbitro, o volante Bruno Silva afirmou que, mesmo com essa e outras suspensões recentes, não pretende mudar sua forma de jogar.

– Vou atuar do mesmo jeito, no máximo me policiando para não tomar tantos cartões. O que aconteceu nos últimos jogos foi uma fatalidade. Sei que não sou um jogador violento, tanto que, em 60 ou 70 jogos pelo Botafogo o meu número de cartões é baixíssimos.

O jogador considerou a pena de três jogos (válidos apenas no Estadual) como justa, e disse que teve uma conversa com o treinador Jair Ventura sobre os problemas com cartões – além da expulsão contra o Vasco, pela Taça Rio, devido à bolada, ele também foi expulso pela Copa do Brasil, contra o Sport, e não jogou contra o Barcelona de Guayaquil, pela Libertadores, por ter tomado três cartões amarelos.

– Ele conversou comigo, puxou minha orelha (risos). Mas jogar uma Libertadores em que os juízes deixam o jogo correr e depois ir para o Estadual, em que qualquer empurrãozinho é falta, fica difícil.

Bruno agora quer esquecer a punição e pensar na próxima partida, contra o Grêmio, dia 14, pelo Campeonato Brasileiro. O time gaúcho foi também o último adversário do Botafogo na competição do ano passado, e o próprio Bruno Silva marcou o gol que classificou o Botafogo para a Libertadores. A partida traz boas recordações.

– Ano passado eu pude fazer um bom jogo. Me apego a essas lembranças boas. Espero que domingo eu possa estar em campo, ajudar a equipe e, quem sabe, fazer mais um gol.

Fonte: Extra Online