O Botafogo de 2020 gera expectativas pelos reforços, principalmente com as chegadas dos estrangeiros Honda e Gabriel Cortez e da negociação com Yaya Touré. O comentarista Raphael Rezende, do SporTV, projetou durante o programa “Troca de Passes” como seria o time com suas principais peças ofensivas.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo

– Só consigo ver esse time jogando no sistema que o Jesus usa no Flamengo e o Coudet no Internacional. Você pega o Honda e espeta ao lado do Pedro Raul como segundo atacante, deixa o Nazário centralizado, usa o Cortez saindo de um lado e o Luis Henrique permanece na equipe saindo do outro. Atrás deles o Yaya, se tiver assinado. É muito exposto. Tem que compactar o campo o máximo possível para a equipe não dar espaço entre as linhas – afirmou Raphael Rezende, armando o time do meio para a frente.

O comentarista, porém, vê uma diferença para o Flamengo.

— As pessoas citam o Flamengo, mas olha a altura da linha de zaga do Flamengo em 80% do jogo. O campo de jogo do Flamengo é ínfimo, então você nunca dá espaço para que o adversário tenha o latifúndio que o Boavista teve para trabalhar a bola. O Pedrinho citou algumas vezes hoje, falta de pressão na bola. O campo está gigante. É muito difícil pressionar o adversário quando tem a bola. E essa é a realidade do Botafogo hoje. Encurtar é muito difícil – analisou.

Ex-jogador, o comentarista Pedrinho citou que o Botafogo tem proposta de jogo diferente do Flamengo.

— Tem mais um ponto. O modelo de jogo do Jorge Jesus propicia que o Everton Ribeiro e o Arrascaeta fiquem com a bola 80% do jogo. E o Nazário aqui no Botafogo, se ele ocupar uma beirada, dentro desse modelo, ele passa praticamente o jogo inteiro tendo que acompanhar o lateral. Então é muito difícil. O lateral do Boavista saiu bastante, amassou bastante dentro do campo do Botafogo e o Nazário não tem essa força. Se fosse em outro modelo, pode jogar o Nazário aberto, principalmente neste do Jorge Jesus que é de construção o tempo inteiro. Agora neste de ser um time reativo, o Nazário perde completamente a função na beirada – explicou.

Fonte: Redação FogãoNET e SporTV