Quatro dos 13 jogadores que atuam no futebol brasileiro e foram convocados à Copa América estiveram em campo hoje, no duelo entre Colômbia e Paraguai que fechou a terceira rodada do Grupo B.

Gustavo Cuellar (Flamengo) de um lado, contra Gatito Fernández (Botafogo), Gustavo Gómez (Palmeiras) e Derlis González (Santos) de outro. Quem levou a melhor foi o flamenguista, que conseguiu superar até mesmo a boa atuação do goleiro botafoguense em Salvador e fez o gol da vitória por 1 a 0.

A Colômbia avança às quartas de final com 100% de aproveitamento, três vitórias em três jogos, enquanto o Paraguai fecha a primeira fase com dois pontos, à espera do complemento da rodada amanhã, e com chances remotas de classificação. A aventura de Gatito, Gómez e Derlis no Brasil pode estar perto de acabar, assim como já aconteceu com Arboleda (zagueiro equatoriano do São Paulo).

Everton (Grêmio), Cássio e Fagner (Corinthians), do Brasil, Cueva (Santos), Guerrero (Inter), Trauco (Flamengo), do Peru, o venezuelano Soteldo (Santos) e o uruguaio Arrascaeta (Flamengo) seguem na competição.

Confira uma análise dos quatro jogadores que atuam no Brasil e estiveram em campo hoje, na Arena Fonte Nova:

Derlis González (PAR)

Jogou bem aberto pela direita e com grandes responsabilidades defensivas, acompanhando as fortes descidas de Cristian Borja no setor em que a Colômbia mais atacou. Passou sufoco, errou alguns posicionamentos e sobrecarregou Piris e Gómez, que também jogavam daquele lado. Já na ação ofensiva esteve mais confortável: forçou tabelas com Almirón e abriu espaços, mas nada que mudasse a história do jogo. Teve uma chance de fazer gol logo aos quatro minutos, mas parou nas mãos de Álvaro Montero.

Gatito Fernández (PAR)

Vinha de dois jogos em que foi eleito por torcedores como o melhor em campo e hoje teve o nome aclamado pela pequena torcida do Paraguai na Arena Fonte Nova: “Fernández! Fernández!”. Pouco depois, não conseguiu evitar que o chute cruzado de Gustavo Cuellar, quase sem ângulo, tomasse as redes aos 30 minutos do primeiro tempo. O resultado podia ser mais amplo não fosse a boa atuação do goleiro na etapa complementar: ele fez defesas importantes em duas finalizações de Jefferson Lerma.

Gustavo Cuellar (COL)

Marcou o gol da vitória da Colômbia aos 30 minutos, após jogada de Santiago Arias, em um lance que é tradicional, com infiltração na área e bom posicionamento. Diante das variações de esquemas táticos da Colômbia, atuou como único meio-campista defensivo do 4-1-4-1 e deu bons botes e interceptações, e também ao lado de Lerma no 4-2-3-1, com mais saída e jogando de área a área. É um jogador que tem o nome frequentemente citado por jornalistas para ser titular do time de Carlos Queiroz. Ganharam novos argumentos.

Gustavo Gómez (PAR)

Assim como Gatito, evitou uma derrota ainda pior da seleção paraguaia na Arena Fonte Nova a partir de forte marcação e interceptações. Precisou corrigir mais de uma vez falhas técnicas ou de posicionamento de Ivan Piris (curiosamente, também de passagem pelo futebol brasileiro, no São Paulo) e foi o mais regular da defesa, mesmo nos momentos de pressão colombiana. No fim atuou quase como centroavante.

Fonte: UOL e Twitter da Brahma