Revitalizada desde a inclusão, em suas fases finais, dos clubes brasileiros envolvidos na disputa da Libertadores, a Copa do Brasil de 2018 tem outro motivo para se tornar o principal alvo dos times do país: o dinheiro. A competição deste ano, que começa nesta quarta-feira para os cariocas, inaugura uma premiação recorde no continente. Supera, inclusive, o dinheiro oferecido ao campeão da Libertadores, mais importante disputa do continente.

O Fluminense estreia contra a Caldense, e o Boavista enfrenta o Internacional em Cascavel, no Paraná, ambos às 19h30m. O clube da Região dos Lagos vendeu o mando de campo em busca de receitas. Mesmo expediente usado pelo Madureira, que vai enfrentar o São Paulo em Londrina, às 21h45m. Mais cedo, o Nova Iguaçu recebe o Bragantino, às 16h, na Baixada Fluminense.

O campeão da Copa do Brasil de 2018 terá um prêmio mínimo acumulado de R$ 61,9 milhões, caso o vencedor seja uma das equipes brasileiras classificadas para a Libertadores deste ano e que, assim, entrará na disputa nacional apenas nas oitavas de final. Caso o troféu fique com um clube que tenha disputado o torneio desde a primeira fase, o prêmio acumulado pode chegar a R$ 67,3 milhões. Somente nas duas partidas finais serão pagos R$ 20 milhões para o perdedor e R$ 50 milhões para o campeão.

Mais de R$ 278 milhões em prêmios

Em relação a 2017, o aumento na premiação que um clube pode receber é de 417%, levando-se em conta o acumulado em todas as fases. Os dois jogos da decisão vão pagar 733% a mais do que no ano passado. O Cruzeiro, atual campeão, ganhou R$ 6 milhões ao derrotar o Flamengo na decisão por pênaltis e colocou em sua conta bancária um valor acumulado próximo de R$ 13 milhões. Ao todo, a Copa do Brasil vai distribuir entre os 91 clubes participantes pouco mais de R$ 278 milhões em premiação.

A Copa Libertadores, por exemplo, após renegociar propriedades comerciais, anunciou um aumento de premiação para 2018. O vencedor do torneio tem cotas totais estimadas em pouco mais de R$ 35 milhões.

— É um reconhecimento ao caráter moderno, inclusivo, democrático da Copa do Brasil. Há equipes de todas as regiões, são 65 cidades representadas — explicou o diretor executivo de gestão da CBF, Rogério Caboclo. — Mostra que negociações coletivas e organizadas podem colocar o futebol brasileiro numa linha crescente. O aumento foi possível após negociações longas. O Grupo Globo reafirmou a valorização das competições e seu compromisso com o futebol brasileiro.

Disparidade com o Brasileiro

Os números que impressionam também causam um contraste no futebol do país. Em tese a principal competição do calendário, o Campeonato Brasileiro, disputado em 38 rodadas e em pontos corridos, passa a oferecer uma premiação muito inferior à da Copa do Brasil, competição de mata-mata em que um clube fará, no máximo, 14 partidas. No ano passado, o Corinthians conquistou o título brasileiro e recebeu R$ 18 milhões. Não há, até aqui, previsão de mudanças radicais na premiação para 2018. Ou seja, o campeão da Copa do Brasil receberia mais do que o triplo do campeão brasileiro.

A premiação do Brasileiro, no entanto, soma-se aos contratos que os clubes já têm para a transmissão de seus jogos pela TV. Ou seja, a premiação, no caso da competição em pontos corridos, não é a única fonte de receitas.

Mesmo assim, a questão ganha relevância num calendário como o do Brasil, que abriga os campeonatos estaduais e, com isto, submete os clubes a uma grande quantidade de partidas. Clubes bem-sucedidos em uma grande quantidade de torneios podem ultrapassar os 80 jogos no ano, o que, em média, representa quase 20 jogos a mais do que os europeus que jogam a Liga dos Campeões. Em geral, a consequência é ver os clubes optarem por competições, escalando reservas em jogos. O risco é o Campeonato Brasileiro se tornar a segunda opção das equipes e, assim, cenário de muitos jogos com times reservas em campo.

— Vamos dar um passo de cada vez — disse Caboclo, em relação à preocupação de equilibrar as realidades econômicas do Brasileiro e da Copa do Brasil. — Não será diferente com as demais competições quando seus contratos forem vencendo.

Fonte: O Globo Online