Com o elenco enxuto, o discurso do Botafogo, desde janeiro, era de que o Carioca serviria como um “laboratório” para os mais jovens e que as Copas (do Brasil e Sul-Americana) seriam os principais escopos – até pelo quesito financeiro ser mais vantajoso. No entanto, como o próprio Zé Ricardo salientou, nada justifica a pífia campanha no Estadual.

O Alvinegro encerrou a sua participação sem ir a uma semifinal de turno sequer, com um aproveitamento de 39,3% em 11 jogos (três vitórias, quatro empates e quatro derrotas). Talvez uma única boa atuação durante 90 minutos: contra o Boavista, quando Zé fez diversos experimentos – inclusive dando chance ao jovem Jonathan – quando já estava eliminado da Taça Guanabara.

– É uma responsabilidade nossa não estar nessas semifinais, mas o futebol tem essas surpresas. Iniciamos um planejamento focados nas três competições. Tínhamos que dar atenção maior às duas copas, conseguimos nosso objetivo, mas não justifica não termos chegado à fase decisiva do Campeonato Carioca – disse Zé , em entrevista coletiva logo após o empate (1 a 1) com o Americano.

Aliás, o “laboratório” para Jonathan foi útil, assim como para a maioria dos reforços – Alex Santana, Gabriel e Gustavo Ferrareis que o digam. Já Diego Souza e Cícero precisam, nitidamente, entrosar melhor com os companheiros, já que serão peças fundamentais para o padrão de jogo que Zé deve emplacar.

– Nosso planejamento, desde o início, era avançar o máximo possível nas copas, até para o planejamento orçamentário é de suma importância. Vamos trabalhar bastante para ter a equipe mais competitiva possível – falou Zé.

O fato é que as Copas, nas quais os resultados têm sido bem positivos, diga-se, passam a ter um peso extra depois da maneira com que o Botafogo caiu do Estadual. E basta uma rasa pesquisa nas redes sociais para ver que a torcida está reticente com trabalho de Zé Ricardo, sobretudo por não enxergar uma evolução quanto ao rendimento da equipe.

Zé já pediu que a torcida empurre o Glorioso contra o Juventude, dia 4, no Nilton Santos, independente da fase. O duelo será pela ida da 3ª fase da Copa do Brasil e de suma importância para que se amenize a atual – e justificável – desarmonia entre torcida e time. O tempo para afinamento é considerável.

Fonte: Terra