Cuca teve uma passagem marcante pelo Botafogo principalmente no ano do Carrossel Alvinegro, em 2007. Sempre tratando o clube com muito carinho, ele lembrou também da chegada ao Glorioso, ainda em 2006, contratado pelo presidente Bebeto de Freitas. O ex-treinador alvinegro elogiou o comportamento do ex-dirigente, falecido em 2018 vítima de uma parada cardíaca em Belo Horizonte.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

– Minha apresentação foi no Caio Martins. O Bebeto me apresentou para os jogadores assim: “Aqui está a próxima vítima, vamos ver quanto tempo vocês farão ele durar”. Tinha vezes que os salários atrasavam três, quatro meses. O Bebeto falava que quando tivesse o dinheiro, pagaria. E ele fazia: quando caía um dinheiro, teve vezes que pagou cinco meses de uma vez só. Ele tinha credibilidade. Ele administrava bem todas essas situações, os jogadores acreditavam nele. Criamos uma família ali dentro – lembrou Cuca, ao Canal do TF.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

Bebeto de Freitas: um ‘grande parceiro’ para Cuca

Cuca relembrou também as dificuldades financeiras que o clube tinha na época – e tem até hoje -, frisando sempre ter contado com o apoio do ex-presidente.

– Fui a Curitiba no escritório do (Mario Celso) Petraglia (presidente do Athletico-PR) para contratar o Jorge Henrique e foi uma dificuldade grande. Consegui mais na base da amizade as contratações, e todas elas foram boas. Bebeto foi um grande parceiro, mas tínhamos limitações por causa do lado financeiro. Ele deixava a vida dentro do Botafogo, é a lembrança que vou ter dele sempre – afirmou Cuca, resumindo sua passagem pelo Botafogo naquela ocasião:

– Foi o desafio mais trabalhoso de todos, mas também o mais satisfatório, que mais prazer deu, porque víamos os resultados no campo. Fiquei dois anos e meio e senti na pele a dificuldade que o Botafogo tinha, como era difícil montar um time e montamos um time melhor do que o outro. E não ganhamos, faltava sempre uma coisinha na hora H, mas o que o Botafogo jogava era muito gostoso. Era como ir numa exposição de arte expôr teu quadro, sabia que seu produto era bom. Você sabia que ia para o jogo e jogaria mais do que seu adversário.

Fonte: Redação FogãoNET