A chegada do atacante peruano Alexander Lecaros ao Botafogo é mais uma que se soma ao histórico de apostas sul-americanas do clube alvinegro – algumas muito bem sucedidas, outras sem tanto êxito.

Com a última década marcada por três Campeonatos Cariocas e uma queda à Série B, relembre nomes gringos que já passaram pela estrela solitária.

Sucessos

Loco Abreu

O uruguaio chegou ao Rio de Janeiro há dez anos e foi uma das contratações internacionais mais bem sucedidas da última década. Sebástian Abreu era irreverente e espontâneo, o craque midiático perfeito, a tal ponto que se tornou apresentador de TV no Uruguai ao fim do ano passado.

Quando vestiu a Camisa 13, que recebeu diretamente das mãos de Zagallo, Loco Abreu tinha 33 anos e trazia no currículo 19 passagens por clubes, entre contratações e empréstimos, pela América e Europa.

Apesar de ter estreado num desastre histórico, uma goleada do Vasco, por 6 a 0, ao longo dos anos seguintes Loco marcaria 62 gols, tornando-se o artilheiro da década do time. Atualmente com 43 anos, ele joga no Boston River-URU e marcou lugar também na história do futebol, como jogador com mais passagens por times: de acordo com o Guinness, o Livro dos Recordes, no total, até então, já foram 26 equipes diferentes.

Lodeiro

Canhoto, o uruguaio chegou no Botafogo a partir de um convite do conterrâneo Loco Abreu, depois de uma passagem pelo holandês Ajax, e com o título de melhor jogador sul-americano sub-20, em 2009, no currículo. Ele também participou de um dos principais momentos alvinegros na última década, em 2013, na vitória da Taça Guanabara. No ano seguinte, o meio-campista seguiu para o Corinthians, e, desde 2016, está no Seattle Sounders, dos EUA. Durante os dois anos no clube carioca, marcou 17 gols para o time.

Herrera

Quando chegou ao Botafogo, há dez anos, o atacante argentino já havia passado por outros dois clubes brasileiros, o Corinthians e o Grêmio. Originalmente, o contrato alvinegro seria apenas para um empréstimo de doze meses, mas, ainda naquele ano, acertou de forma definitiva com o time. Atrás apenas de Loco Abreu, com quem formou uma dupla de ataque, Herrera ocupa o segundo lugar na lista de artilheiros do Botafogo na década passada: foram 49 ao longo dos dois anos. No time, viveu momentos históricos, como os títulos estaduais de 2010 e 2013. Em maio do ano passado, com 35 anos na época, anunciou a aposentadoria.

Seedorf

Apesar da incrível qualidade do holandês, a contratação de Seedorf pelo clube pode ser considerada problemática, em um olhar retrospectivo. Ao longo das 81 partidas que enfrentou com a camisa alvinegra, o holandês marcou 24 gols para o time, o que lhe deu o sexto lugar no ranking de artilheiros da década 2010-2019. Mesmo tendo perdido um pênalti para o Cruzeiro que tirou o time da corrida pelo título, a torcida botafoguense guarda boas recordações do jogador, que, depois de dois anos no clube carioca, optou pela aposentadoria dos gramados. Em 2019, ele ganhou uma ação contra o Botafogo, que foi obrigado pela 12ª Vara do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1) a pagar R$ 1 milhão ao jogador, por direitos e uso de imagem atrasados.

Fracassos

Canales

Quando foi contratado, em maio de 2016, o chileno já não era mais um garoto: com 34 anos na época, Canales se recuperava de cirurgia e, no fim daquele mesmo ano, ainda sofreu outro procedimento, no tornozelo esquerdo. Foram apenas 11 jogos, um gol e muito descontentamento de ambas as partes – em “tempos de vacas magras”, o atacante recebia R$ 280 mil do Botafogo. Ele também deixava claro o quão desgostoso estava por não ser o principal ataque do time, além da vontade de voltar ao Chile, para conviver mais com a família. Quando não foi relacionado para um jogo contra o Estudiantes, em maio de 2017, o jogador se reuniu com a diretoria alvinegra e acertou sua rescisão contratual com o clube.

Salgueiro

Quando esse contrato foi assinado, em 2016, os tambores rufaram, pois era uma adesão há muito já esperada. As expectativas alçadas em torno do uruguaio eram altas. Além de ter que fazer jus às carreiras dos conterrâneos que também haviam passado pelo clube com brilho, Salgueiro era um nome marcado na memória botafoguense, quando, em 2008, com a camisa do Estudiantes, cravou uma vitória contra o time carioca. Mas toda essa promessa não se concretizou, pois ao longo dos 29 jogos que participou, marcou apenas um gol. Atualmente com 36 anos, Salgueiro fechou com o clube paraguaio San Lorenzo para a temporada 2020.

Leo Valencia

Em dezembro do ano passado, o meio-campista chileno encerrou o vínculo com o Botafogo, depois de uma parceria de dois anos e meio. O desejo partiu do próprio clube, que não via retorno no desempenho de Valencia, que tinha um dos maiores salários do elenco. Quando chegou, em 2017, o atleta levantou as esperanças botafoguenses, mas o jogador de 28 anos não conseguiu destaque no time e marcou apenas nove gols, ao longo das 92 partidas que jogou.

Escalada

No Campeonato Equatoriano de 2006, o argentino nato tinha marcado 29 gols pelo Emelec; quando desembarcou no Rio de Janeiro, em 2008, os botafoguenses ficaram desconfiados quando viram a nova contratação do clube. Acima do peso e com uma aparência considerada desleixada, o atacante fez uma passagem curta, porém, marcante no time carioca — que não é lembrada pelos melhores motivos. Com oito quilos a mais, jogou apenas três partidas, nenhuma como titular e não conseguiu marcar nenhum gol, o que fez com que a revenda fosse negociada em semanas. Atualmente com 33 anos, ele joga para a Universidade Católica do Equador.

Fonte: O Globo Online