Antes mesmo da chegada de Eduardo Barroca ao comando do Botafogo, a dupla de zaga do time já havia conquistado seu espaço no time titular.  Joel Carli, capitão e um dos jogadores mais reconhecidos pela torcida, e Gabriel, envolvido na negociação que levou Igor Rabello ao Atlético-MG, se entenderam por música e construíram uma boa parceria na defesa botafoguense. Contra a Chapecoense, na próxima segunda-feira, os dois podem voltar a atuar lado a lado, depois de quatro rodadas.

Por diferentes motivos, Carli e Gabriel não atuam juntos desde a derrota por 3 a 2 para o Flamengo, no dia 28 de julho, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Passados 28 dias, a equipe vive a expectativa de ter de volta os homens de confiança na proteção à meta alvinegra, no Estádio Nilton Santos, pela 16ª rodada do Brasileirão e de recuperar a regularidade no torneio nacional, após a parada para a Copa América.

Neste período, o Botafogo fez quatro jogos sem os dois atletas. Perdeu por 2 a 0 para o Atlético-MG, pela Copa Sul-Americana, venceu Avaí e Athletico-PR pelo Campeonato Brasileiro e foi superado pelo Corinthians, também na competição nacional. O aproveitamento,portanto, ficou em 50% sem a dupla considerada titular. Neste intervalo, Cícero e Marcelo Benevenuto supriram as lacunas na posição.

Gabriel não pôde entrar em campo na eliminação da competição internacional por ter seus direitos econômicos ligados ao Galo. Ele também foi desfalque na vitória sobre o Furacão, cumprindo suspensão automática pelo terceiro cartão amarelo. Carli, por sua vez,  ficou de fora dos outros dois compromissos, contra Avaí e Timão, por dores musculares, mas tudo indica que já está recuperado. O argentino treinou normalmente com o elenco, nos últimos dias. O técnico Eduardo Barroca, no entanto, preferiu a cautela e não confirmou a presença do zagueiro.

– Não dá para cravar a volta do Carli. Ele treinou, veio de uma progressão, mas ainda não vi os números dele. Além da questão física, tenho que deixar a competição entre os jogadores mais viva. Temos dois treinos, está distante. Se hoje confirmo a escalação, bloqueio um dos pontos da minha escolha – disse o treinador, em coletiva nesta sexta-feira.

Pelo Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Sul-Americana, Joel Carli e Gabriel disputaram um total de 18 partidas juntos, na atual temporada. O aproveitamento da dupla, até aqui, é positivo: dez vitórias, um empate e cinco derrotas. Nestes compromissos, o Botafogo levou dez gols, o que dá a média de 0,6 tentos sofridos por partida.

Por mais que Marcelo Benevenuto venha dando conta do recado nos últimos jogos por conta das diferentes ausências na defesa, a tendência é que Barroca volte a escalar os dois nomes de confiança do miolo de zaga, com o objetivo de voltar a brigar na parte de cima da tabela. A meta traçada pelo treinador e pela diretoria é de brigar por uma vaga na Libertadores do próximo ano.

DE OLHO NO ARTILHEIRO

A missão de Carli e Gabriel, contudo, não será fácil. Apesar de estar na zona de rebaixamento, com 13 pontos, na 17ª colocação, a Chapecoense marcou 16 gols até aqui no Campeonato Brasileiro – dois a mais que o Botafogo. Mesmo com os resultados ruins, o time catarinense é perigoso no setor ofensivo, tendo balançado as redes nos últimos três compromissos.

Um nome é o destaque deste sistema ofensivo do time comandado pelo técnico Emerson Cris, que assumiu a vaga de Ney Franco. A Chapecoense conta com o vice-artilheiro do Campeonato Brasileiro: Everaldo, com oito gols. Ao todo, o camisa 77 do Verdão D’Oeste marcou 14 vezes na atual temporada e se destaca pelo seu posicionamento dentro da área e faro de gol.

Fonte: Terra