A torcida botafoguense esperava começar o mês de março mantendo o bom retrospecto de fevereiro. Mas não foi isso que aconteceu. Após seis jogos sem perder (cinco vitórias e um empate), o Glorioso foi derrotado pelo Volta Redonda por 1 a 0 neste sábado, em jogo válido pela segunda rodada da Taça Rio.

O LANCE! fez uma análise com os pontos positivos e negativos da derrota, que complicou a situação Alvinegra no Campeonato Estadual.

ESTREIA DE CAVALIERI

O experiente goleiro fez a sua primeira partida com a camisa do Botafogo. Apesar da derrota, não teve culpa no gol do Volta Redonda, que foi total mérito de Bruno Barra. No segundo tempo, fez grande defesa em chute de João Carlos, evitando o segundo gol do Voltaço.

Com as convocações de Gatito Fernandez para a seleção do Paraguai, a torcida botafoguense pode ficar tranquila, pois a camisa número 1 não será um problema para a temporada.

MUDANÇAS DE ZÉ RICARDO

Com um calendário cheio de competições, o time começou a partida contra o Volta Redonda com cinco alterações em relação ao jogo contra o Cuiabá, na quarta-feira, pela Copa do Brasil. Diego Cavalieri, Helerson, Jean, Rickson e Luiz Fernando entraram nos lugares de Gatito Fernandez, Marcinho, Gustavo Bochecha, Alex Santanta e Kieza.

Sem um centroavante, Erik começou mais centralizado no ataque, mas as mudanças não surtiram efeito. Durante o primeiro tempo, Erik, Rodrigo Pimpão e Luiz Fernando ficaram trocando de posições na frente, mas sem levar perigo ao gol do Volta Redonda.

DESERTO DE IDEIAS

Zé Ricardo tem um grande problema para resolver. A equipe vem criando muito pouco nas partidas. Luiz Fernando e Leo Valencia não estão em bons momentos e quase não ajudam ofensivamente.

Na primeira etapa, a melhor chance do Alvinegro foi em uma falta que Leo Valencia cruzou na área, a bola passou por todo mundo e o goleiro Douglas Borges afastou para o lado. Na segunda metade o time teve que arriscar mais com o placar adverso, mas não conseguiu levar muito perigo ao adversário. A melhor oportunidade foi em um chute de longe de Cícero, que desviou na defesa e acertou o travessão.

ERIKDEPENDÊNCIA?

Com seis gols em 10 jogos, Erik tem sido o grande destaque do Botafogo até aqui no ano. Mas na derrota para o Volta Redonda, o camisa 11 não fez uma boa partida. Começando o jogo mais centralizado, claramente não estava se sentindo à vontade e foi variando de posição com Luiz Fernando e Rodrigo Pimpão. Sem sucesso.

O atacante teve pouquíssimas ações ofensivas e não levou perigo ao gol do Voltaço. Sem a inspiração de “Pelérik”, o Glorioso se mostrou ineficaz e não conseguiu tirar o zero do placar. Será que a equipe de Zé Ricardo tem uma “Erikdependência”?

CÍCERO EVOLUINDO

Uma das principais contratações do Botafogo na temporada, Cícero vem mostrando que será muito útil. Após uma estreia convincente contra o Cuiabá na última quarta-feira, pela Copa do Brasil, o meia entrou no intervalo contra o Volta Redonda e foi bem.

Liderando o meio de campo e distribuindo a bola, também foi dele a melhor chance botafoguense na partida. De longe, ele arriscou um chute forte que desviou na defesa e carimbou o travessão. Evoluindo fisicamente, a titularidade deve ser questão de tempo.

CLASSIFICAÇÃO AMEAÇADA

Se o Botafogo vai bem na Copa Sul-Americana e na Copa do Brasil, não se pode dizer o mesmo no Campeonato Estadual. Eliminado na fase de grupos na Taça Rio, o time vê uma classificação para a fase final da competição cada vez mais complicada.

Com apenas cinco pontos na classificação geral, o Botafogo está a nove do Fluminense, que ocupa a quarta colocação, faltando apenas quatro rodadas para o fim da Taça Rio. Como apenas os campeões dos turnos e os outros dois melhores classificados no geral disputam as semifinais do Estadual, o Alvinegro olha o título da Taça Rio praticamente como uma obrigação.

Fonte: Terra