O botafoguense, certamente, ainda não superou a última noite. Cada lance, cada reverência e exaltações a Jefferson antes, durante e após a partida contra o Paraná, válida pela 37ª rodada do Campeonato Brasileiro e sem apelo quanto à tabela, estarão eternizados na memória dos presentes no Nilton Santos, principalmente. E a vitória por 2 a 1 ainda serviu de presente ao goleiro.

O placar, aliás, foi inaugurado com o perfil do Botafogo nas últimas rodadas: intenso e organizado. Logo na primeira investida da equipe, Moisés, que fez a sua melhor partida individual no ano, cruzou na medida para Erik. Pelo ímpeto e atmosfera das arquibancadas, a impressão era de que uma goleada seria questão de tempo contra um Paraná já rebaixado e recheado de garotos.

Mas não foi assim. O time de Zé Ricardo encontrou um time comandado por Dado Cavalcanti bem postado e compacto, tentando ter a bola e adiantando a última linha de defesa. O duelo, assim, passou a ser franco e equilibrado, com o Botafogo sem o pé no acelerador como nos minutos iniciais.

– Não fizemos uma jogo brilhante e quando você faz o gol cedo… Demos uma acomodada. O Paraná, mesmo rebaixado, valorizou demais essa vitória. Até fiquei feliz que tenha sido uma partida difícil, onde ele (Jefferson) participou muito bem – comentou o treinador, em entrevista coletiva.

Jefferson, de fato, foi exigido mais do que o esperado, porém mostrou segurança em todas os chutes defensáveis. No única que não era, viu uma pitada de drama objetificada de bola no ângulo, logo alijada com mais um gol de Erik, que ratificou a ótima fase sua – e de todo o sistema ofensivo.

Por fim, depois de oito meses de delicada recuperação, João Paulo entrou na reta final para o torcedor vibrar ainda mais e constatar que a sequência de seis jogos de invencibilidade, sobretudo pelos rendimentos animadores, pode ser a chave para um time mais ambicioso e competitivo em 2019. Jefferson, daí já distante da rotina alvinegra, merecerá preencher o vazio da ausência dos gramados comemorando conquistas expressivas. E o caminho está certo.

Fonte: Terra