Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Série B

26/06/21 às 16:30 - Castelão

Escudo Sampaio Corrêa
Sampaio Corrêa
SAM

X

Escudo Botafogo
Botafogo
BOT

Série B

20/06/21 às 16:00 - Aflitos

Escudo Náutico
Náutico
NAU

3

X

1

Escudo Botafogo
Botafogo
BOT
Ler a crônica

Série B

17/06/21 às 19:00 - Do Café

Escudo Londrina
Londrina
LON

2

X

2

Escudo Botafogo
Botafogo
BOT
Ler a crônica

Destaque de seleções de base e passagem pelo Arsenal, jovem treina separado

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Titutlar da seleção sub-15, com passagem pelo Arsenal e promissor. Apesar do currículo, Luis Guilherme não conseguiu se formar no profissional, onde já foi emprestado algumas vezes e retornou ao Botafogo. Ele está treinando em separado, ao lado de Alex, Anderson, Bruno Tiago e Mario Risso, mas não perde a esperança.

– Na minha posição, eu sei que o amadurecimento é mais lento. São poucos os goleiros que viram titulares dos clubes antes dos 25, 26 anos. Eu mantenho o otimismo, sigo trabalhando e não vou desistir – declarou ao site Globoesporte.com.

– Apesar desse momento, eu não perco o otimismo. Graças ao futebol, vivi experiências únicas para moleques da minha idade. Convivi com jogadores que ganham uma fortuna, e outros que vivem com o salário mínimo. Já tive a experiência de estar nos planos, agora estou fora dos planos, mas devo tudo ao futebol, que é uma porta de ascensão muito grande na sociedade brasileira. Graças a ele, inclusive, eu estou na faculdade hoje, então a avaliação de todos esses anos é a mais positiva possível – analisa.

O goleiro não acredita que a baixa estatura o prejudique.

– Acho que o problema não é o goleiro pequeno, e sim o pensamento em relação ao goleiro baixo no Brasil. Recebi um estudo e vi que o Casillas, da Espanha, tem 1,82m, e o Júlio César tem 1,86m. Com 1,84m eu me sinto bem. E em relação ao fato de ser negro, acho muito pobre de pensamento a pessoa se basear em um lance isolado como o do Barbosa em 1950 para pensar assim até hoje. O Botafogo, ainda bem, é um clube muito aberto em relação a isso, e a prova é o Jefferson, que está na Seleção – diz.

Notícias relacionadas
Comentários