A aposta do Botafogo no momento é Lucas Campos. Em alta com a torcida, o jogador de 21 anos muda a cara da partida contra o Athletico Paranaense e sofreu o pênalti decisivo da vitória por 2 a 1. Mas, internamente, há quem já acreditava nele antes. Casos do técnico Eduardo Barroca e do diretor da base, Manoel Renha.

O dirigente contou a trajetória de Lucas no Botafogo.

– Lucas Campos chegou em 2014, tem característica diferente da maioria porque chega ao clube com 16 para 17 anos, não teve processo de formação que começa com 10, veio de projeto social de Rio das Ostras. O técnico na época era Felipe Conceição, que o aprovou. Passou o primeiro ano na categoria, subiu para o sub-20, assumiu titularidade da equipe. Em 2016 chega o Barroca, que o mantém como titular, mas o Lucas tem lesão que o afasta por 3 ou 4 meses, perde o início do Brasileiro sub-20 que o Botafogo foi campeão. Quando voltou, o time estava encaixado, ficou como reserva. Em 2017 voltou a ser titular, mas era o último ano de base. Subiu para o profissional, a comissão técnica entendeu que era importante ganhar experiência em outros clubes, como Nova Iguaçu, onde teve bom desempenho. Foi emprestado para o Tubarão e, quando chegou, o Barroca pediu o retorno do Lucas Campos ao elenco. O viu treinando bem e disse que em breve teria oportunidade. Entrou pouco tempo contra o CSA, 15 ou 20 minutos, contra o Athletico jogou mais, nos ajudou e causou boa impressão. É garoto, até os mais cascudos oscilam, espero que siga em viés de alta e tenha continuidade para participar mais dos jogos – afirmou Manoel Renha à Rádio Tupi.

O diretor da base também citou Rhuan e Lucas Barros, jogadores do sub-20 que têm sido observados no elenco principal. Ele acredita que os jovem podem ajudar bastante.

– Rhuan é um menino de 19 anos, teria até 2020 no sub-20, mas tem performado bem, artilheiro dos juniores no ano com 16 gols. Quando sobe de categoria, o grau de dificuldade aumenta. Se tiver paciência e colocar gradativamente, tende a entregar resultados. Assim como o Lucas Barros. Espero que esses meninos venham a agregar e dar opções para o Barroca no Campeonato Brasileiro, que é tão difícil. O clube está em posição interessante, sétimo lugar, com limitação em relação a outros elencos que estão na frente. Uma campanha acima das expectativas, mérito do grupo e da comissão técnica. Espero que consigamos ir bem, chegar até a Pré-Libertadores, é um objetivo que é bem satisfatório se alcançado, em função da realidade financeira e da dificuldade na montagem do elenco – completou.

Fonte: Redação FogãoNET e Rádio Tupi