O diretor executivo de futebol do Santos, Gustavo Vieira, deve desembarcar no Rio de Janeiro ainda na noite desta quinta-feira (21). Em terras cariocas, se reunirá com Jair Ventura e com o empresário Carlos Leite para fechar a contratação do treinador. Depois do Botafogo ter feito uma oferta de renovação a Jair, o Peixe seduziu o carioca com R$ 350 mil mensais – que serão divididos com seu auxiliar técnico. A multa de R$ 800 mil para rescindir o contrato com os botafoguenses também terá que ser paga integralmente pelo Alvinegro praiano.

Em contato rápido com o DIÁRIO, o presidente José Carlos Peres não confirmou a ida do dirigente, tampouco negou. “Passei a tarde em reunião e ainda não consegui falar com o Gustavo, vou falar com ele agora mais tarde”.

A aproximação entre Jair e Santos ficou mais forte na última terça-feira. Conforme publicou o DIÁRIO, o treinador sinalizou a intenção de treinar o Peixe em 2018 à diretoria liderada pelo presidente Peres e selou com um clube uma espécie de acordo verbal. Até então, o Botafogo, mesmo sem querer perder seu comandante, não tratava como opção uma renovação de contrato com melhora nos termos.

A situação mudou na última quarta-feira, quando o clube carioca se reuniu com Jair e seu representante e ofereceu não só uma renovação, mas também um aumento salarial para que permanecesse em General Severiano – o contrato atual vai até dezembro de 2018. Os novos números balançaram o treinador.

Mesmo assim, a tendência é que Jair opte mesmo por deixar o clube. Antes dele, o Peixe tentou a contratação de Zé Ricardo. O atual técnico do Vasco era tratado como uma das prioridades desde o período eleitoral, mas em todas as sondagens do Santos deixou clara a intenção de permanecer em São Januário.

Com Jair e depois da oficialização de Gustavo Vieira no cargo de diretor, o Peixe poderá, enfim, dar andamento de maneira mais eficaz ao planejamento para a próxima temporada. Peres deixou claro desde sua primeira entrevista como presidente que não pretende tomar decisões sem consultá-los.

Fonte: Diário de S. Paulo