Torcida apaixonada, que presencialmente levou o clube na reta final do último Campeonato Brasileiro e que virtualmente tem vencido a maioria das enquetes no período da quarentena pelo novo coronavírus, a do Botafogo foi alvo de elogios do diretor-executivo do Ibope Repucom, José Colagrossi, em entrevista ao Canal do Fabiano Bandeira.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

Colagrossi valorizou a participação do torcedor do Botafogo.

– Não existe torcedor que ama mais incondicionalmente que o botafoguense. A torcida do Botafogo é muito maior que os seus números. Faz muito mais, se sacrifica mais que os outros. É engajada, gasta mais tempo com o Botafogo, faz mais coisas pelo Botafogo. Toda vez que o Botafogo perde ela chega junto, seja para comprar uma camisa nova, mandar mensagem para o jogador, ir ao estádio. Ano passado a campanha do segundo turno foi um desastre, mas a média de torcida aumentou em 25%, para dar força. Isso faz parte do DNA botafoguense, entrega total ao clube – afirmou José Colagrossi.

Confira outros trechos da entrevista:

Ativação de patrocinadores

– Não tem competição há um mês e meio, não tem jogo. Adianta cruzar o braço e esperar? Não. É obrigação de todos os clubes usar a rede social para promover seus patrocinadores e engajar com os torcedores. Não fazer não é só um desrespeito aos patrocinadores, mas aos torcedores. Porque o patrocinador um dia vai embora, o torcedor fica sem o time.

Fase complicada

– Quando o Botafogo não está vivendo momento difícil? Ser botafoguense não é para amador, não é para pessoas muitos sensíveis e requer pele bastante grossa. É muita angústia e sofrimento, mas comemoramos nossas emoções com muito mais intensidade que os outros torcedores.

Patrimônios do clube

– O maior patrimônio de qualquer clube é sua torcida. Sempre. O segundo maior patrimônio é sua história, legado, conquistas. O terceiro são jogadores e ex-jogadores. A mídia social é o único ambiente onde pode reunir todos, pode engajar a torcida nas redes sociais, usar ex-jogadores e contar regularmente a história do seu clube. Único ambiente onde pode promover suas marcas e patrocinadores o tempo todo. As mídias sociais são absolutamente fundamentais para os clubes. Elas têm importância estratégica.

Uso de ídolos

– Todo ex-jogador diz que sente saudade do amor do torcedor. Tive oportunidade rara de passar tarde com Garrincha três meses antes de ele morrer. Morava em uma pensão, pobre, sem nada. Ele dizia que foi muito enganado na vida, passaram a perna nele, um pouco de mágoa e tristeza, me olhou com os olhos bem molhados, e disse “sinto falta do amor da galera, do Maracanã em preto e branco gritando Garrincha”. Quantos craques estão com dificuldade hoje em dia? O clube tem obrigação de engajar com eles, fazer lives, bate-papo com time de 67, 68, 71, muitos estão vivos. Deixa a torcida mostrar amor por eles, carinho, mostrar mensagens de apoio. É só o que querem, serem amados de novo. Me traz angústia, por que não fazemos isso, qual a dificuldade? A torcida está louca para conhecer esses caras.

Marketing digital

– O marketing digital é tudo. Por que o Botafogo não conta suas histórias? A história pertence ao Botafogo acima de tudo, é o dono da chave. Falei isso com o diretor de marketing da CBF, é obrigação da CBF contar a história da Seleção Brasileira, resgatar a memória. Quando a S/A sair, se puder fazer algo, vou fazer o que posso. Se puder contribuir em uma área, vamos criar o melhor canal de clubes, narrar histórias perdidas dos nossos craques do passado, trazer os campeonato das décadas de 50 e 60. Não é só passar o jogo, é discutir e debater.

Veja o vídeo da entrevista com José Colagrossi:

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do Fabiano Bandeira