Doping, prisão e confusões: Jobson abre o coração sobre polêmicas e ainda sonha voltar ao Botafogo

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Jobson em Botafogo x Tigres do Brasil | Campeonato Carioca 2015
Vítor Silva/SSPress/Botafogo

Jobson tem uma carreira repleta de polêmicas. Jogador do Botafogo em 2009, 2010, 2012, 2014 e 2015, o atacante viveu altos e baixos no Glorioso, em outros clubes e na vida. Os piores momentos foram casos de doping, suspensão e prisão.

Em entrevista ao “Canal Pilhado“, do jornalista Thiago Asmar, Jobson foi franco e falou sobre todos os assuntos. Hoje jogador do Campinense-PB, ele fez a gravação ainda no tempo de Portuguesa-RJ.

Leia os principais trechos:

Pior fase

– O Jobson já fez muita merda mesmo, todo mundo sabe. Tem muito jogador bonzinho demais, é complicado, tem que ser maluco mesmo. É essa porra mesmo e não tem história. Já me arrependi de muitas coisas que fiz, o pior que fiz de merda foi o doping. Dei um pipoco lá, o maior vacilo que dei, agora já era. Estava na balada, dei mesmo e foda-se. Não adianta eu pagar de bonzinho. Já fiz merda mesmo, agora estou tendo outra chance, cabeça erguida e tentar de novo.

Como foi?

– Simplesmente estava na balada, cheirei, caí no doping. Não usava antes e não uso hoje, sou um cara experiente. Ficou para trás. Já fui preso, hoje estou tranquilo e firmão. Paguei um preço, não pode, deu merda, repercussão, fiquei suspenso. Tenho que erguer a cabeça e dar a volta por cima.

Fama subiu à cabeça

– Como vim do interior, Conceição de Araguaia, já trabalhei em olaria, vendi picolé, trabalhei muito. Tive oportunidade de jogar em Brasília, depois no Botafogo foi a fama mesmo, estourei para o Brasil todo. A fama sempre vai subir um pouco à cabeça, tem que ter os pés no chão. Talvez se eu tivesse a cabeça de hoje seria diferente, saberia dizer não para as coisas ruins.

Jogador maluco

– Jogador tem que ser maluco, chutar bandeirinha, dar porrada no outro, é gol. Quem vai bater a desgraça sou eu, vai lá e faz, tira a camisa e acabou. Romário é meu ídolo, diferenciado demais. Manda todo mundo se fuder, vai lá e gol.

Mochilas, bolsas e carteiras da coleção FogãoNET da Estilo Piti

Botafogo 2015

– Em 2015 tive uma grande passagem no Botafogo, foi um dos artilheiros junto com o Bill, René Simões é um dos técnicos mais chatos de se jogar (no bom sentido), fica no pé, em cima. Já tinha feito merda com ele no Bahia, fazia festa em casa e chegava atrasado, mas dentro de campo resolvia. O 11 era eu. Treinava para caramba e arrebentava. Você perder treino não é bom. Nem que chegue louco, passe perfume, fique longe do treinador para ele não sentir o cheiro. Tem que ser esperto. Se eu fosse um cara mais esperto, no nível que estava vivendo no Bahia e no Botafogo… Voltei bem no Botafogo em 2015, botei na minha cabeça que se quisesse tomar meu danone ia ser em casa, sem ir para balada.

Suspensão da Fifa

– Arrebentei, mas vieram uns árabes fdps, Mohammed sei lá o quê, que mandaram o negócio do doping que me puniu por quatro anos. Eu tinha tomado uma, na Arábia não pode beber, estava cheio de medo. O Al Ittihad estava atrasando salário, time bom, mas não pagava ninguém. Não pagaram o Diego Souza também. Estava arrebentando, o salário atrasou três meses, fomos para uma festa subterrânea, um monte de mulher com manta na cara, pedi bebida. O cara chegou com duas Vodkas, R$ 2 mil cada, bebemos. Chegou narguilé, que fumaça é essa aí? Fui também. Meu Deus do céu, hoje como vou para casa? Leandro Bonfim me ligou no dia seguinte perguntando se eu não ia treinar, falei que não, que queria ir embora, me dá meu passaporte que vão me prender. Prenderam mesmo meu passaporte, tomaram meu carro, me deixaram na merda. Não tinha nem o que comer. Eles fazem doping surpresa. Um tal de Ibrahim estava puto que eu não fui treinar e mandou fazer em mim. Não usei droga, essa desgraça da Arábia corta mão, braço e cabeça. Eles são malucos. Mas álcool não é doping. Quer saber, não vou fazer não, não vou mijar. Falei que não estava entendendo nada e fui para casa dormir. Não fiz, foi o que me fudeu. Estava acostumado a fazer em jogos. Não usei droga nenhuma.

Novo homem

– De 2014 até agora sou um cara tranquilão, pode fazer o exame que for. O amadurecimento do ser humano. Em 2009 fiz muita merda, o que eu jogava eu fazia de merda. Jogador que faz merda é o foda, é o que resolve.

Cadeia

É muito ruim ficar na prisão. Fiquei um ano, porque descumpri medidas cautelares, assumo. Foi a pior coisa a minha vida. Fui acusado de coisa que não fiz, é segredo, cabe aos advogados resolverem. É muito doloroso. Quem gosta de mim, conhece meu caráter sabe. Nunca fiz nada para ninguém, só comigo mesmo. Dividia cela, os caras me respeitavam e davam conselho. Doido para ir para o banho de sol e jogar. Os presos falavam “eu saio daqui e vou roubar mesmo, porque não tenho o futuro que você tem. Não dá mole não. Aqui ninguém toca em você, porque sabemos que você não fez nada. Vai lá e vai jogar”.

Drama

– Não pensei em me matar, mas já tive momentos que chorei muito, fiquei com medo de perder a mulher, será que está dando para outro? Você só pensa em coisas assim. Quando fui preso de novo, desabafava com a minha mãe por que isso? Por dentro estava morrendo de chorar. Cara igual eu, o que estou fazendo aqui, por causa de bobeira dos outros. Mentalizava tanta coisa… Falava para minha mãe que queria ir embora, comer peixe, os meus cachorros, caçar… Hoje o futebol é tudo na minha vida, porque já me fez esquecer muito o que passei. Foi uma lição de vida de que não posso mais dar mole. Uma coisa é fazer merda no futebol, outra é vida. Merda todo mundo faz, desde que tenha limite. Bebeu para caramba, põe um parceiro para dirigir. Tranquilo, acabou, não arrumou problema, não matou, não foi para a prisão.

Teve depressão?

– Já fiquei muito triste, não tive depressão. Foi tristeza, arrependimento, buscar mais refúgio no Senhor. Mas sempre com personalidade de vou conseguir voltar, sempre acreditei em mim, que eu ia voltar em 2010. Caí no doping, mas nunca mais ia voltar. Tive a burrice de ter recusado (na Arábia), hoje poderia estar em outro patamar. Busquei refúgio na minha família, quatro filhos, sou fazer de filho, uma máquina. Tenho sonhos grandes, de voltar à elite e estar bem. Nada compra os beijos que meus filhos e minha mulher dão. Por falar em mulher, perdi os bagaços todos (risos). Mas também já estou mais tranquilo, falo mais só para zoar, tirar o foco.

Sonha em voltar a clube grande?

– De uma estrela (Portuguesa-RJ) para outra (Botafogo). No meu Instagram o pessoal pede muito. Se analisarem, saí lá com o pé direito, não pude jogar a final (do Campeonato Carioca). O (Thiago) Carleto até falou que a Taça Guanabara era a Champions League, foi muito engraçado. Falei “tá de sacanagem”. Mas é o clube que gosto, tem torcida, a mídia, não adianta me levar para jogar em Manaus, entocado com os índios. Se não tiver cobrança, não dá.

Conselhos

– O conselho que dou para a criançada é sempre saber dizer o não para as coisas ruins da vida. Ouvir os conselhos dos pais, treinar, sonhar e mentalizar nos objetivos. Depois que conseguir o sucesso, não dar mole igual o Jobson deu.

Veja o vídeo do Canal Pilhado:

Fonte: Redação FogãoNET e Canal Pilhado

Notícias relacionadas