Estacionada nos quatro pontos no Campeonato Carioca, a Cabofriense perdeu para o Botafogo neste domingo (21), em São Januário, em um jogo decidido no final. Com um pênalti controvertido marcado contra si, no último minuto, o Tricolor Praiano acabou derrotado por 2 a 1 e agora vê a classificação para a próxima fase do Estadual mais distante. Resultado frustrante para uma equipe que soube segurar o Alvinegro no segundo tempo e que estava se tornando a primeira a tirar pontos da equipe neste ano.
O lance que gerou mais reclamação na Cabofriense foi o pênalti marcado por Daniel de Sousa Macedo, que viu toque de mão do zagueiro Rafael Sales. Os jogadores, porém, negaram que isso tenha acontecido. O próprio técnico Eduardo Hungaro foi outro que reclamou da marcação e afirmou que a vitória alvinegra só saiu por conta da decisão do juiz, que ele considerou equivocada.
– O primeiro foi muito bom, soubemos defender e contra-atacar, sair rápido com a bola e fazer posse de bola. Depois, o Botafogo se impôs durante a segunda etapa. Fizemos as substituições e havia, uns dez minutos antes do gol, até um domínio da situação. O Botafogo já não oferecia tanto perigo, mas aí veio um pênalti interpretativo. O resultado está diretamente ligado à marcação desse pênalti, que a meu ver não existiu – disse Hungaro, explicando que não viu despreparo no árbitro, mas um erro que acabou mudando os rumos do confronto:
– A arbitragem do Daniel foi excelente, erros acontecem. Mas no momento da finalização, o bandeira tinha marcado impedimento, essa foi a reclamação dos jogadores. A imagem é clara, o Rafael Sales bota os braços para trás e a bola ainda bateu no ombro dele. Foi um erro de uma boa arbitragem no geral, mas que acabou sendo decisivo.
Manutenção na Série A é a meta
Pela frente, a Cabofriense ainda tem três jogos na primeira fase do Carioca. O próximo deles é, novamente, contra um grande: o Flamengo, na quarta-feira. Um compromisso essencial para que o time siga com chances de seguir vivo no Estadual. De qualquer maneira, Eduardo Hungaro vê uma evolução no futebol da equipe, mesmo com os resultados fracos, no geral. Ainda assim, ele lembrou que o principal objetivo é permanecer na Série A.
– A gente tem grandes jogadores na Cabofriense e o legado que fica é de que o time está evoluindo. Mas os resultados não vêm acontecendo. Nossos quatro pontos não condizem com o que o time vem apresentando. Vamos ser se, nessas rodadas finais, conseguimos uma pontuação melhor para brigar pela vaga. De qualquer forma, o objetivo do clube no ano é ficar na Série A e é em cima dessa realidade que trabalharemos, caso não consigamos a classificação – disse.
Fonte: FutRio