O Botafogo promoveu uma verdadeira reestruturação no time titular que terminou a última temporada. Cinco jogadores que faziam parte da base do time deixaram General Severiano e fizeram com que o técnico Zé Ricardo tivesse que criar uma nova equipe a partir dos atletas que ficaram. A derrota logo na estreia do Carioca para a Cabofriense ,no entanto, não ajudou em nada a credibilidade do processo.

Após as saídas de Igor Rabello, Moisés, Matheus Fernandes, Rodrigo Lindoso e Brenner o Botafogo utilizou-se de jogadores que já estavam em General Severiano para formar do time titular. Os sete reforços do time até o momento ficaram no banco de reservas e, alguns deles, só foram a campo durante o segundo tempo.

O desempenho do time não agradou. O Botafogo saiu na frente com Luiz Fernando, mas levou a virada e viu a torcida perder a paciência no apito final. Gritos de “time ser vergonha” foram entoados das arquibancadas logo no primeiro compromisso da equipe em 2019. Uma pressão que o Alvinegro não esperava encarar logo nas primeiras semanas de trabalho.

Evidentemente que a revolta não se restringiu aos torcedores presentes no estádio Moacyrzão, em Macaé. Nas redes sociais o clima também ficou pesado e cobranças foram feitas ao perfil oficial do clube.

 

“Não temos seis, sete jogadores que faziam parte do time que finalizou a competição no ano passado. Isso pressiona um pouco os meninos, mas a gente tem confiança no trabalho e daqui a pouco as coisas começam a encaixar”, disse o técnico Zé Ricardo.

O treinador ainda explicou o porquê dos reforços não terem sido amplamente aproveitados. No lugar deles vários jovens foram titulares e alguns não corresponderam, tiveram atuações apagadas.

“A maioria dos atletas que não entrou em campo ou não veio é porque entendemos que não tinham condições. É realmente dar condição de jogo a todos, preparar aqueles que não tinham 100% de condição de jogar. Muitos apresentaram cansaço e optamos por segurar para evitar lesões”, explicou o comandante.

O Botafogo volta a campo na quarta-feira, quando receberá o Bangu, no Nilton Santos. A partida será decisiva para mudar ou piorar de vez o cenário da equipe, que já tem o clássico com o Flamengo na 3ª rodada.

Fonte: UOL