Fluminense e Botafogo se enfrentam neste sábado, às 18h30, no Engenhão para decidir mais do que a vaga para a final do Campeonato Carioca. O Alvinegro conseguiu levar a partida do Maracanã para o “Niltão”, seu “habitat natural”, nas palavras do técnico René Simões, mas considerado “salão de festas” pela torcida do rival. Com três vitórias para cada lado e oito empates em 14 jogos, a partida pode servir como desempate no retrospecto. O Clássico Vovô, então, decide “quem manda” no estádio.

O Botafogo chega com força máxima para a partida. Desacreditado no início da temporada, o Glorioso chega credenciado pelo título da Taça Guanabara, mas em desvantagem por ter perdido o primeiro jogo por 2 a 1 (Fred marcou os dois para o Flu e Willian Arão marcou o gol alvinegro).

René Simões tem apenas uma dúvida: Jobson, que vem em má fase na competição, pode dar lugar a Rodrigo Pimpão, que começou a temporada como titular e perdeu a vaga após lesão muscular.

Já o Fluminense não terá o capitão e artilheiro do Campeonato Carioca, Fred. O atacante, que marcou 11 gols na competição, sendo três contra o Botafogo, está suspenso por declarações verbatórias e não joga o Clássico Vovô decisivo.

Com isso, o técnico Ricardo Drubscky terá de improvisar, já que não possui outro centroavante à disposição. Nos treinos de quinta e sexta, Lucas Gomes, jogador de velocidade, foi utilizado no time titular. Drubscky também pode escalar o meia Wagner, centralizando o jovem Kenedy na função de homem gol.

A última parcial revelou que 10.289 ingressos já foram vendidos. O setor norte, destinado às organizadas alvinegras e aos sócio-torcedores já está esgotado.

Bota se esforça para levar jogo para ‘Niltão’, mas estádio é ‘salão de festas’ do Flu

Após grande polêmica, a Ferj autorizou pedido formulado pelo Botafogo para trocar o clássico, programado para o Maracanã, para o Engenhão, casa do Alvinegro.

Apesar de ter vencido o Tricolor de virada no jogo de estreia, em 30 de junho de 2007, por 2 a 1 com dois gols de Dodô – Alex Dias abriu o placar, marcando o primeiro tento do estádio -, o Glorioso levantou apenas três taças “inexpressivas” no agora Estádio Nilton Santos: a Copa Peregrino, torneio amistoso entre clubes do Rio e Noruega, em 2008; além da Taça Rio de 2012 e a Taça Guanabara de 2015.

Já o Fluminense, cujo presidente honorário, João Havelange, dá nome oficial ao estádio, venceu três títulos de expressão em seu “salão de festas”. Com o Maracanã fechado para obras da Copa do Mundo, o clube venceu os Campeonatos Brasileiros de 2010 e 2012 e o Campeonato Carioca de 2012 no campo alvinegro.

Ao todo, 14 partidas foram disputadas entre os dois clubes no Engenhão. As duas equipes venceram três confrontos e ocorreram oito empates. No último jogo, empate por 1 a 1, em 2013: Wellington Nem marcou para o Flu e Bolívar para o Bota. Em seus domínios, o Alvinegro não vence o Tricolor há sete jogos.

René Simões falou sobre a mudança, que gerou reclamação dos tricolores, em “guerra” com a Ferj.

“O presidente do Fluminense ficou aborrecido com a troca. Claro, porque o Maracanã é onde o Fluminense gosta de jogar, é seu habitat. Aqui é o nosso. Tirando o amistoso contra o time chinês, no início da temporada, que aliás não valia nada, vencemos todas as partidas que disputamos”, disse o técnico René Simões.

Já Drubscky deu de ombros para a mudança: “Se trouxer benefício ao Botafogo, eles estão certos em pedir a troca. Se julgam assim, estão certos. O campo é muito bom, e o Fluminense tem história de conquistas ali. Não acredito em grandes problemas”, declarou o técnico tricolor.

Agora, as equipes buscam o desempate, mas o Fluminense pode até se classificar com derrota no tempo regulamentar: caso a diferença seja de um gol, o jogo termina nos pênaltis. O Botafogo precisa de dois gols de diferença para se classificar sem depender da “loteria”. Em caso de empate ou vitória tricolor, o Flu se classifica para a final do Cariocão.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO X FLUMINENSE

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 18 de abril de 2015, sábado
Hora: 18h30 (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols
Assistentes: Dibert Pedrosa e Michael Correia

BOTAFOGO: Renan, Gilberto, Renan Fonseca, Alisson e Thiago Carleto; Diego Giaretta, William Arão, Tomas e Elvis; Jobson (Rodrigo Pimpão) e Bill
Técnico: René Simões

FLUMINENSE: Diego Cavalieri, Wellington Silva, Gum, Marlon (Henrique) e Giovanni; Edson, Jean, Vinícius e Gerson; Lucas Gomes (Wagner) e Kenedy
Técnico: Ricardo Drubscky

Fonte: ESPN.com.br