Menino carioca de classe média, Lucas Zen já está se despedindo da namorada e dos pais. Também irá trancar o curso de administração na UFRJ. O volante de 22 anos vai, pela primeira vez, colocar a mochila nas costas e viajar para morar fora do Rio de Janeiro.

Mas ele assegura que não tem medo da mudança. Pelo contrário, revela ansiedade – que denota contradição com seu apelido – para a chegada breve do próximo ano. O desejo é deixar para trás o passado recente de poucas chances no Botafogo – clube que o emprestou por um ano – para ter mais oportunidades com a camisa do Leão.

“Vou sozinho aí pra Salvador, mas a solidão não será problema. Já estou acostumado a dormir no CT do Botafogo e a viajar quase toda semana pra jogar. E outra: receberei visitas de meus pais e da namorada de vez em quando”, informa Lucas.

O complemento ‘Zen’ em seu nome vem desde as categorias de base do Bota. “Eu sou bem tranquilo e era meio caladão no começo. Aí colocaram esse apelido e ficou”, explica ele, que afirma: “Foi necessário ter muita paciência nos meus primeiros anos como profissional”.

Lucas subiu no final de 2010 e, em 2011, emendou boa sequência como titular com o técnico Caio Júnior no comando do Alvinegro carioca. Porém, no ano seguinte o número de jogos caiu e, para piorar, em julho veio uma lesão grave: ruptura do ligamento cruzado do joelho esquerdo. “Nesse período, precisei de ainda mais serenidade. A recuperação da cirurgia é demorada e, depois, você ainda tem que ficar um mês só treinando pra ganhar confiança”.

O jogador voltou a ficar disponível para atuar em fevereiro deste ano, mas, após o retorno, as oportunidades praticamente sumiram. Em 2013, realizou só quatro partidas como titular.

“Por isso, quando recebi a proposta do Vitória, falei com meu pai e decidimos que seria bom, pois trata-se de um clube grande, que fez uma boa campanha no último Brasileiro, e onde eu talvez possa ter mais chances”, mira Lucas.

Admiração por Ney

Outro ponto que fez o meio-campista decidir a favor da transferência foi o fato de o Leão ter no comando o técnico Ney Franco: “Passei de 15 a 20 dias com ele na Seleção para a disputa do Pan de 2011. Apesar de o resultado ter sido ruim, com nossa eliminação na primeira fase, percebi que o seu trabalho é muito bom. Sabe motivar o grupo e tem um grande conhecimento de tática”.

Por todos os fatores citados, Lucas Zen está torcendo para que chegue logo o dia 6 de janeiro, data da reapresentação do grupo para a pré-temporada. Com o joelho esquerdo operado em perfeito estado, o atleta se diz em ótima forma para estrear já no dia 19, na primeira rodada do Nordestão.

No Vitória, espera uma boa receptividade da torcida, apesar de admitir que a pressão existe: “Torcida de time grande cobra muito, pois está acostumada a comemorar títulos de expressão. O jogador entende isso”.

Quanto a conquistas, Lucas sonha alto e assegura ver a possibilidade de um time nordestino voltar a ganhar um campeonato nacional. “O time já foi bem no último Campeonato Brasileiro, fez a segunda melhor campanha do returno. Então, se mantiver a regularidade, tem chance, sim”, projeta.

Fonte: A Tarde