O tempo é a commodity mais escassa para o Botafogo nesta temporada; por isso, quando o tem, o técnico Jair Ventura aproveita. Ontem, no treinamento, ele testou uma formação inimaginável para a maioria dos torcedores alvinegros: um time com quatro atacantes. Guilherme e Pimpão atuaram abertos pelas pontas, enquanto Roger e Brenner ficavam fixos na frente.

É improvável que o Alvinegro comece algum jogo com essa formação, mas Jair parecia estar tentando criar alternativas para a equipe, principalmente em situações de desvantagem no placar. Contra o Flamengo, o time não conseguiu criar chances mesmo perigosas depois de levar o primeiro gol.

O teste também indica algo que já era perceptível nas declarações de jogadores: o time, até aqui conhecido pela capacidade de se defender bem e criar contra-ataques, pretende atuar mais com a bola nos pés, tendo controle do jogo. A intenção ficou clara contra o Bahia, no primeiro jogo após a eliminação da Copa do Brasil. O Botafogo venceu bem e teve a posse de bola durante a maior parte do tempo.

No desembarque após a partida contra o Bahia, o centroavante Roger afirmou:

— Conseguimos fazer um grande jogo, diferente do que costumam falar: tivemos muita posse de bola, aproximação. Dominamos, foi por merecimento a vitória que nós conquistamos. Daqui para frente é buscar fazer esse tipo de jogo sempre para tentar terminar o ano, quem sabe, com o título da Libertadores.

O Grêmio, próximo adversário do clube na Libertadores, atua de forma ofensiva. O Alvinegro pode tentar aguardar o rival e tentar contra-ataques ou tirar o Tricolor gaúcho de sua zona de conforto ao manter a bola e forçá-los a se defender mais durante o jogo.

22 mil entradas garantidas contra o Grêmio

Tudo indica que o Estádio Nilton Santos estará lotado para empurrar o Botafogo contra o Grêmio. A última parcial de vendas divulgada pelo Alvinegro, na tarde de ontem, era de que 22 mil ingressos, entre check-ins e venda para o público em geral, já haviam sido vendidos.

A expectativa é que o jogo se aproxime do recorde de público no ano do Niltão (40.050 pessoas presentes) ou o supere. A venda para sócios-torcedores havia começado na segunda-feira; o público em geral pôde garantir seu lugar no estádio a partir de quinta.

Os problemas do Tricolor gaúcho — perda de Pedro Rocha, lesão de Maicon, Pedro Geromel ainda se recuperando — podem ter estimulado a torcida. Os jogadores do Botafogo, no entanto, tentam não ser pegos pelo entusiasmo.

— Eles tiveram perdas, mas têm um elenco de muita qualidade. Quando sai o Pedro Rocha, entra o Everton, por exemplo — disse o zagueiro Igor Rabello.

O técnico adversário, Renato Gaúcho, usou o bom humor. Ontem, ele se referiu às baixas do elenco como “Lava-Jato do Sul”.

— Fazer o que? São coisas do futebol. Entendo o problema do clube, tínhamos que vender algum jogador para fazer caixa. Poderia ter sido o Luan, mas foi o Pedro. O Maicon tentou voltar, mas sente muitas dores — disse.

Fonte: Extra Online