Em dezembro de 2012, René Simões assumiu um importante desafio em sua carreira. O atual treinador do Botafogo aceitava o cargo de diretor executivo do Vasco, adversário deste domingo, às 16h, no Maracanã. Nos seis meses em São Januário, René não conseguiu driblar as adversidades financeiras e os problemas internos, como a conturbada demissão do meia Felipe. Quase dois anos depois, o técnico alvinegro lamenta não ter conseguido desenvolver seu trabalho no clube de São Januário.

— Não fiz nada no Vasco, somente enxuguei gelo o tempo todo. A situação financeira dentro do clube era muito difícil e isso complicou muito o meu trabalho. Eu não consegui fazer nada no Vasco — disse o treinador.

De lá para cá, René não enfrentou mais o Vasco, clube pelo qual iniciou sua trajetória no futebol profissional, em 1976, como preparador físico. Sobre se o fracasso como diretor vascaíno o fez mudar algo em seu trabalho, o treinador afirmou que segue sendo o mesmo profissional de antes. O pesar fica por não ter ajudado o ex-clube da forma que gostaria.

— Em todos os meus trabalhos eu consigo deixar alguma coisa pelos clubes que já passei, menos no Vasco. Eu não consegui deixar nada lá dentro. Não tenho nada contra o clube, nada contra as pessoas que lá que estavam. Mas a situação que o clube vivia economicamente não permitiu que eu colocasse em prática o que eu queria — avaliou o ex-diretor.

Falando sobre o jogo deste domingo, René aproveita para exaltar a rivalidade estadual que envolve Botafogo e Vasco.

— São dois clubes de muita tradição. O Vasco representa uma colônia muito forte e o Botafogo tem muita história. É uma partida recheada de importância. Nos últimos dias, fui parado por torcedores em função do clássico. Essa rivalidade, quando acontece sem violência, é muito legal — comentou o treinador.

Fonte: Extra Online