Um grupo de operários chamou a atenção ao chegar para ajudar no trabalho de resgaste das vítimas do acidente na Linha Amarela, na terça-feira passada. Com fitas isolantes cobrindo a logomarca do capacete, não era possível identificar de onde eram e nem se estariam aptos a ajudar. Indagados por um oficial do corpo de bombeiros, informaram trabalhar na reforma do Engenhão. O prefeito Eduardo Paes ordenou que o canteiro de obras fosse paralisado para que homens e equipamentos se empenhassem na tentativa de salvar as vítimas presas às ferragens. O consórcio liderado pela Odebrecht acatou, mas orientou os funcionários a esconderem o nome da empresa.

Fonte: Blog do Renato Mauricio Prado - O Globo Online