Keisuke Honda, enfim, vai estrear pelo Botafogo. Não como planejado, já que por conta da pandemia do Coronavírus o jogo contra o Bangu, neste domingo, às 16h, no Estádio Nilton Santos, será realizado sem torcida. Em entrevista ao programa Esporte Espetacular, o japonês abordou diversos assuntos e revelou que as mensagens da torcida alvinegra nas redes sociais o fizeram a aceitar a proposta do Glorioso.

– Eu já falei sobre isso na apresentação. O motivo de eu ter vindo para cá é que eu recebi muitas mensagens dos torcedores nas redes sociais. Nunca recebi tantas mensagens de torcedores antes. Essa ação me fez pensar em jogar pelo Botafogo e negociar com o clube. O início foi por causa dos torcedores. Sim (as mensagens o tocaram). Eles estavam muito animados. A paixão deles me fez vir – contou.

Em sua apresentação, Honda chamou a atenção pela excelente forma física. Após ter sua estreia adiada por conta de uma gripe – ficou fora da partida contra o Paraná, na última terça-feira, pela Copa do Brasil -, o japonês agora se diz totalmente apto para atuar.

– Eu não acho que estou na melhor forma física ainda porque não jogo há um bom tempo. Mas pelo menos mantenho a gordura corporal. Então eu tento me manter em forma o máximo possível. Não acho que eu precise de mais tempo para me preparar para os jogos. Acho que consigo jogar se Paulo (Autuori) me escolher. Mas normalmente acho que os jogadores que não atuam há um bom tempo precisam de mais tempo do que eu – disse Honda, sem falsa modéstia.

Autor de gols em três Copas do Mundo, igualando feitos atingidos somente por Pelé, Cristiano Ronaldo e Messi, Honda afirmou estar preocupado com a pandemia do novo Coronavírus, que já infectou 773 pessoas no Japão, com 22 mortes (dados deste domingo). Em todo o mundo, já são mais de 5.800 mortes e 156 mil casos da doença.

– Para ser sincero, estou preocupado. Toda minha família está no Japão. E escolas, eventos, shows e jogos estão sendo cancelados. A gente tem passado por grande problema. Não tem sido problema apenas de saúde, mas também econômico. Talvez a Olimpíada seja adiada, mas eu espero que esse problema passe o mais rápido possível e que a Olimpíada aconteça no verão (meio do ano no Japão) – afirmou.

Fonte: Globoesporte.com