Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

X

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

X

Escudo Botafogo
BOT

Campeonato Carioca

10/04/21 às 21:05 - Raulino de Oliveira

Escudo Volta Redonda
VRE

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT

Ex-Botafogo, zagueiro Juninho detona Maurício Assumpção: ‘Não foi homem’

0 comentários

Compartilhe

Com boa passagem pelo Botafogo no fim da década passada, Juninho hoje vive como ídolo no futebol mexicano defendendo o Tigres. O zagueiro, porém, está acompanhando o período difícil que vive o clube carioca, na zona de rebaixamento e com salários atrasados por todo o ano. E lembra que já em 2009, seu último ano em General Severiano e primeiro da gestão Maurício Assumpção, o presidente falhou em cumprir promessas com o elenco.

“O Maurício é complicado. Em 2009, antes do jogo contra o Palmeiras, precisávamos da vitória para não sermos rebaixados. Eram três meses de salário atrasado. O presidente chorava na sala comigo, tinha gente que não queria jogar, com medo do que aconteceria caso a equipe perdesse. Falava comigo, com o Lucio Flavio e o Reinaldo que não deixaria ninguém sair de férias com salário atrasado. Contava histórias, chorava e dizia e que iria pagar todo mundo. Infelizmente nunca nos pagaram. Tenho uma mágoa muito grande com o presidente. Ele não foi homem com a gente”, disparou o jogador de 32 anos em entrevista ao site ‘GloboEsporte’.

Juninho saiu no ano seguinte para a Coreia do Sul, onde jogou no Suwon Bluewings, e logo depois para o Tigres, onde joga desde então. Apesar de ainda ter muito carinho pelo clube – que defendeu entre 2005 e 2009 -, parabenizar os jogadores por continuarem firmes mesmo com o atraso no pagamento e olhar com tristeza a atual situação, ele não se compadece de Assumpção.

“Falando da parte do presidente Maurício, receberam muito dinheiro com minha venda e empréstimo. Me deviam três meses. Fui emprestado para a Coreia, e eles receberam dinheiro. Depois me venderam para o Tigres, e receberam mais dinheiro. Mas eu não recebi nada. Tinha feito um acordo em que tirei metade do que me deviam e aceitei parcelar em 10 vezes. Não pagaram, e infelizmente tive que chegar às últimas instâncias. A dívida hoje é muito maior. Fiz tudo para evitar a Justiça. Devo muito à torcida, à instituição”, lamentou.

Comentários