O doutor Luiz Fernando Medeiros, que é ex-chefe do departamento médico do Botafogo, concedeu uma entrevista exclusiva ao Show do Apolinho, da Super Rádio Tupi. Como o Glorioso vai enfrentar o Deportivo Quito, no dia 29 de janeiro, no jogo de ida do confronto válido pela fase preliminar da Libertadores, a diretoria tem que se preocupar com a altitude que existe no local onde fica o estádio Olímpico Atahualpa, localizado na capital do Equador.

Como Luiz Fernando explicou, é necessário que os jogadores cheguem com antecedência para se adaptarem fisicamente ao ambiente.

“O problema da altitude é a rarefação do ar, ou seja, quanto mais você sobe menos oxigênio se encontra no ar. Dessa forma, os glóbulos vermelhos necessitam de mais trabalho. O problema é que essa adaptação é demorada, não ocorre de um dia para o outro. Sendo assim, o período mínimo necessário para uma adaptação ideal é de dez a quinze dias. É claro que isso é difícil por conta dos custos e datas disponíveis, por exemplo. Outro detalhe é que ela tem que ser feita progressivamente”, disse.

Sobre os malefícios que um atleta pode sofrer devido à altitude, o doutor declarou que a altura de três mil metros não deve causar nenhum risco à saúde.

“Em casos extremos, sim. É extremamente raro uma altitude de três mil metros causar danos a um atleta. Se for um paciente cardiopata, fumante, mal condicionado fisicamente, pode acabar sofrendo alguma complicação clínica”, afirmou.

Fonte: Super Rádio Tupi