O Botafogo foi derrotado na manhã deste sábado para o São Paulo, por 2 a 1, jogando em casa e perdeu uma boa oportunidade de pontuar e encostar no G-¨6 do Campeonato Brasileiro, diante de um adversário direto pela vaga na Libertadores. O time comandado por Barroca saiu atrás no placar, com gol de Hernanes, mas conseguiu buscar o empate no final do primeiro tempo, com João Paulo. Na segunda etapa, o Alvinegro sofreu com a falta de criatividade e acabou sofrendo um gol, já nos acréscimos, em uma falha de marcação da zaga.

O resultado ruim afasta Glorioso do objetivo de brigar por uma vaga na Libertadores de 2020 e vem antes de uma sequência complicada de dois jogos fora de casa, contra Bahia e Fortaleza e do clássico contra o Fluminense, no retorno ao Rio de Janeiro. Confira fatores que contribuíram para a derrota.

Explorou pouco as laterais

As melhores chances do Botafogo, em especial no primeiro tempo, vieram de jogadas criadas pelas laterais do campo com a dupla Marcinho-Fernando, pela direita e Gilson, pela esquerda. O time, no entanto, insistiu nas jogadas pelo meio e parou na marcação do São Paulos ou nas falhas no último passe. O Tricolor jogou fechado, explorando os conta-ataques em velocidade. Na segunda etapa o panorama se repetiu e foi agravada pelo cansaço e pela marcação alta feita pelo Tricolor.

Dependência de talentos individuais

O jogo coletivo do Alvinegro não funcionou bem na manhã deste sábado. O time só conseguiu chegar ao gol em boas condições quando os talentos individuais sobressaíram. Gustavo Bochecha fez uma boa partida no primeiro e foi fundamental no gol de empate, com um Passe na medida para João Paulo, mas cansou na segunda etapa. O meia, que sofreu com uma grave lesão na perna direita na temporada passada, marcou um belo gol para recolocar o Botafogo no jogo, mas também parou na forte marcação tricolor. Marcinho se esforçou mas não repetiu o bom desempenho de outras vezes.

Dificuldades de criar

O gol de empate animou a torcida alvinegra no final do primeiro tempo e dava indícios de que o time tentaria a virada na segunda etapa. O que se viu,no entanto, mais uma vez, foram as dificuldades de criação e falta de velocidade no meio-campo. O time de Barroca sofreu com a marcação alta do São Paulo e teve dificuldades na saída de bola. Os homens de frente não recebiam boas condições e o Tricolor passou a dominar as ações. Gatito precisou fazer boas defesas para segurar o placar.

Mudanças nao surtem efeito

O técnico Eduardo Barroca tentou mudar o panorama da partida na segunda etapa, quando o Botafogo sofria com o maior volume de jogo do adversário. O treinador promoveu as entradas de Leo Valencia, Pimpão e Alan Santos, no lugar de Bochecha, Victor Rangel e Luiz Fernando, em uma tentativa de melhorar o toque de bola, mas as mudanças não surtiram o efeito desejado. O time seguiu com dificuldades na saída de bola e quando chegava ao gol, pecava no último passe e nas finalizações sem direção.

Artilheiros fazem falta

O Botafogo foi para a partida desfalcado de seus dois artilheiros em 2019: Diego Souza e Alex Santana. A dupla fez falta e deixou evidente as dificuldades de Barroca de lidar com um elenco enxuto, com poucas opções para reposição. No fim, o Alvinegro teve a má atuação punida com uma falha de marcação da zaga, já nos acréscimos. Os zagueiros Marcelo Benevenuto e Gabriel saltaram junto com Arboleda, deixando Pablo entrar sozinho para marcar o segundo do São Paulo e decretar a derrota em casa. Joel Carli, lesionado, foi mais um desfalque da equipe na partida.

Fonte: Terra